Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
VISOGRAFIA: O PROBLEMA DO MATERIAL, CONTEÚDO E FORMA NA ESCRITA DE LÍNGUA DE SINAIS
Claudio Alves Benassi, Simone de Jesus Padilha

Última alteração: 27-09-17

Resumo


A presente pesquisa se insere nos Estudos de Linguagens, na área da Língua Brasileira de sinais, especificamente, na sua grafia. Tendo em vista os três sistemas de Escrita de Língua de Sinais (ELS) que circulam no Brasil (SignWriting, Escrita das Línguas de Sinais-ELiS e Sistema de Escrita de Língua de Sinais-SEL) e o fato de que os mesmos não se fixam na educação do sujeito visual (surdo), devido ao excesso de caracteres e exacerbação do detalhamento do registro, o que os tornam denso e pesado (SignWriting), do alto nível de abstração (ELiS e SEL) e da ausência de políticas públicas que contribuam para a oficialização de um sistema de ELS nos Parâmetros Curriculares Nacionais, a presente pesquisa tem como objetivo criar um sistema de ELS leve e prático, com baixo número de caracteres. Dada a importância da ELS para o desenvolvimento cognitivo do acadêmico visual, em consonância com as pesquisas da área que enfatizam que a aprendizagem da ELS  desenvolve o senso crítico; estimula a criatividade; amplia o conhecimento geral; auxilia na aquisição de outras línguas escritas; favorece o registro escrito, desde um bilhete no dia-a-dia ao texto de um livro; auxilia no desenvolvimento cognitivo do sujeito visual; auxilia na fixação de conteúdos estudados e na formação conceitual; auxilia o registro e a produção intelectual; favorece o registro cultural dos sujeitos visuais pelos próprios sujeitos, empreendi a criação de um  sistema que com base nos aspectos simples e visuais do SignWriting e da ELiS que nominei VisoGrafia. O sistema possui apenas 35 visografemas e 54 diacríticos que permitem o registro gráfico da língua de sinais. O sistema foi criado tendo como fundamentação basilar, os autores Saussure, Martinet, Lévi-Strauss e Lopes, que balizaram as discussões sobre a linguística, especificamente em relação a fonética e a morfologia. Com relação a aplicação da ELS, no sentido de verificar a viabilidade da escrita e da leitura, os experimentos foram norteados tendo como principais bases teóricas, os postulados de Bakhtin, tendo como referencial a discussão do problema do material, conteúdo e forma e Vygotsky, no que se refere a formação das funções superiores da mente. Como principais resultados, apresento o sistema de ELS VisoGrafia totalmente formulado, cujo aplicação no processo de ensino-aprendizagem aponta para aprendizagem rápida em virtude do baixo número de caracteres e visualidade dos visografemas. Apresento ainda, relacionado aos meus estudos de gramática, as terminologias que cunhei durante a aplicação dos princípios gerais da linguística à língua de sinais, com as quais operacionalizarei a parte estrutural da pesquisa, sendo estas: paremologia (estudo do paremas de uma dada língua de sinais) e paremática (estudo dos paremas das línguas de sinais em geral) para designar a área dos estudos dos paremas: mínimas partes de uma determinada língua de sinais;  sinalículo partes que compõe um sinalema, que por sua vez, compõe o aparato técnico (significação) de um enunciado.