Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A atenção primária no cuidado ao homem: o olhar por meio da perspectiva Bourdieusiana
Luanna de Arruda e Silva, Áurea Christina de Paula Corrêa

Última alteração: 28-09-17

Resumo


O aumento crescente nas taxas de morbimortalidade de homens no contexto atual da sociedade brasileira, é reflexo de uma cultura de dominação masculina, que reforça a ideia de que homens não necessitam de cuidados com sua saúde, em conjunto ao não reconhecimento pelos profissionais atuantes em serviços de atenção básica da necessidade de atendimento a essa população de maneira peculiar e individual, constituem violência simbólica. Violência, que não coercitiva e nem mesmo física, mas, suave, insensível e invisível. Em razão dessa suavidade, sutileza e invisibilidade da violência simbólica, aspectos históricos e construções sociais são naturalizados e normalizados, vistos como autóctones e genuínos. Estudos demonstram que o cenário alarmante voltado as elevadas taxas de acometimentos a saúde masculina estão ligadas a questões comportamentais e relacionais de gênero e masculinidade, que levam o indivíduo/homem a assumir comportamentos que são destrutivos a sua saúde. Para além dessas questões, é preciso recorrer ao entendimento dos fenômenos sociais e culturais, a partir do reconhecimento de suas influencias pelas estruturas do campo da saúde. Dessa maneira, a partir do olhar teórico de Pierre Bourdieu que trabalha as relações de gênero sob a ótica do poder e dominação com influencias estruturais dos campos, procurou-se analisar neste estudo, a violência simbólica no cuidado prestado à saúde masculina no contexto da atenção primária à saúde. Estudo de abordagem qualitativa de caráter analítico, realizado em uma Unidade de Saúde da Família (USF) conjugada. Foram sujeitos do estudo, profissionais de saúde atuantes nas USFs onde a pesquisa ocorreu, enfermeiros, médicos, agentes comunitários de saúde e também homens usuários atendidos na unidade. O levantamento dos dados se deu por meio da técnica de observação participante e entrevista semiestruturada. Esta pesquisa faz parte de um projeto matricial denominado “Condições de saúde da população masculina” submetido ao comitê de ética e pesquisa do Hospital Universitário Júlio Muller com o parecer de número 953.428 de 11/02/2015. E seguiu as orientações da Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012 do Conselho Nacional de Saúde/MS que regulamenta a realização de pesquisas envolvendo seres humanos. Após a análise dos dados foram encontradas as seguintes categorias: Produção e configuração da violência simbólica na estrutura do serviço de Atenção Básica, que demonstra por meio dos discursos dos agentes e dos relatos de observação o modo como a violência simbólica é exercida na organização burocrática do serviço de saúde; O hábitus dos agentes envolvidos, nesta, verifica-se a dominação simbólica mediante o hábitus profissional na oferta de cuidados; e o hábitus masculino, expresso na ausência de cuidado com sua saúde e na naturalização do papel de provedor introjetado em suas ações e discursos.

Palavras-chave; Saúde do homem, Violência Simbólica, Dominação Masculina.