Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Farelo de crambe na alimentação de vacas de leite
Daiane Caroline De Moura, Andre Soares de Oliveira, Flavio Junior Gonçalves Vieira, Robson Moreira Miranda, Poliana Oliveira Cordeiro, Danielly da Silva Souza, Viviane Helena Zampieri, Suziane Rodrigues Soares, Fernanda Norberto Viana

Última alteração: 29-09-17

Resumo


Objetivou-se com este estudo avaliar o efeito de quatro níveis de farelo de crambe (382,4 g de proteína bruta / kg de matéria seca (MS), 450 mg de glicosinolatos / kg de MS em ração mista total parcial (pTMR) (0, 45, 90 e 135 g / kg MS), sobre o desempenho produtivo, a eficiência da utilização de nutrientes e a análise sensorial do queijo de vacas leiteiras. Doze vacas leiteiras mestiças de Holstein × Zebu (10,00 ± 2,5 kg de leite / d) sob condições tropicais de pastagem (Panicum maximum cv Mombaça) distribuídos em três quadrados latinos 4 x 4 com quatro períodos experimentais de 21 dias. O pTMR foi isonitrogenado (273,00 ± 0,36) g de proteína bruta / kg MS) e oferecido ad libitum entre ordenha da manhã (07h00) e tarde (05h00). As vacas foram alimentadas com quatro kg de suplemento de concentrado por dia (0, 45, 90 e 135 g / kg), de modo a fornecer 1 kg / vaca / dia de proteína bruta. A produção de leite foi registrada do dia 15o ao dia 21 o de cada período experimental. As amostras de leite foram coletadas nos dias 17 o e 18 o de cada período experimental e foram homogenizados de acordo com a produção de leite de cada vaca para ter uma amostra composta. A inclusão de farelo de de crambe até 135 g / kg não afetou (P> 0,05) o consumo pTMR (kg / d MS) (11,62, 11,44, 11,49 e 11,44), consumo de Pastagem (kg / d MS) (0,97, 0,87, 0,80 e 0,97), consumo total (kg / d MS) (12,55, 13,30, 12,31 e 12,40), consumo de matéria orgânica (kg / d) (11,93, 11,70, 11,72 e 11,79) e consumo proteína bruta (kg / d) (1,50, 1,48, 1,49 e 1,50). A inclusão de até 135 g / kg de MS em pTMR não afetou (P> 0,05) a digestibilidade diária de nutrientes, matéria seca (g / g) (0,72, 0,70, 0,73 e 0,73), matéria orgânica (g / g) (0,75, 0,73, 0,76 e 0,75) e proteína bruta (g / g) (0,74, 0,73, 0,76 e 0,76) de dieta para vacas alimentas pTMR. A inclusão de até 135 g / kg de MS em pTMR não afetou (P> 0,05) peso corporal kg, índice de condição corporal 1-5, produção de leite (13,19, 13,72; 12,82 e 13,35 kg / d), composição do leite (lactose 48,19, 48,12 47,42, 47,52, g/kg; proteína 30,89, 30,90, 30,4, 30,4 g/kg e gordura 45,84, 45,15, 43,68, 45,11 g/kg) , metabolismo de componentes nitrogenados (N), função hepática IU/mL (GGT 32,05 ± 2,94; ALT 15,98 ± 0,44 e AST 48,02 ± 5,71), rendimento de queijos (0,21 ± 0,01 kg/kg de leite e análise sensorial (gostei 59,78, 80,00, 76,00, 77,67 % dos provadores) . O farelo de Crambe pode ser incluso até 135 g / kg de MS em pTMR com níveis de glicosinolatos abaixo de 450 mg / kg sem afetar o desempenho produtivo, a eficiência da utilização de nutrientes e a análise sensorial do queijo de vacas leiteiras.