Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
JUVENTUDE E PRODUÇÃO ASSOCIADA: EXPERIÊNCIAS, LIMITES E EXPECTATIVAS DOS/AS JOVENS DO ASSENTAMENTO ROSELI NUNES – MIRASSOL D’OESTE- MT
Eva Emilia Freire do Nascimento Azevedo

Última alteração: 24-09-17

Resumo


Falar da temática “Juventude Camponesa e Produção Associada” é abrir um grande leque de possibilidades para pensar outras formas de existência e de trabalho, diferentes dos vivenciados no contexto da vida urbano e do modo de produção capitalista. Nesse sentido, a presente pesquisa tem como objetivo geral, conhecer as experiências, limites e expectativas do Trabalho e da Produção Associada para os jovens do Assentamento Roseli Nunes- Mirassol D’Oeste- MT e de que forma os vivenciam enquanto princípio educativo, articulado a um movimento mais amplo em defesa de outro projeto societário e enquanto possibilidade para sua permanência no campo. A escolha desse campo está relacionada ao fato de que, em sua história mais recente o Assentamento teve uma experiência de formação através do projeto “Juventude Camponesa”, na perspectiva da Produção Associada, o que faz desse lugar um campo riquíssimo de conhecimento. O projeto de pesquisa apresenta uma problematização/ introdução a respeito do tema, enfatiza o processo de aproximação com o campo empírico, os objetivos (geral e específico), o referencial teórico, as escolhas metodológicas, os procedimentos e cuidados éticos, as referências até então utilizadas e os apêndices necessários à iniciação da pesquisa – que se encontra sob análise no Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Área das Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso. No que diz respeito ao método de apreensão e análise da realidade, a pesquisa se fundamenta no materialismo histórico, no qual, a discussão acerca do trabalho tem centralidade. Importa destacar que, no momento contemporâneo esse tem assumido contornos e crises cada vez mais expressivos e complexos, com fortes repercussões na vida daqueles que precisam alienar sua força de trabalho para garantir minimamente as suas existências. Considerando esse método, acredita- se que o processo de construção do conhecimento não se trata de algo finalizado, rígido, dado o próprio movimento presente na realidade concreta. Em relação aos procedimentos metodológicos, a pesquisa possui elementos da pesquisa participante e pretende que a produção de dados se dê mediante a utilização dos seguintes instrumentos e técnicas: fontes primárias, através de observação participante, registros em Diário de Campo; Entrevistas semi-estruturadas, Rodas de Conversa e Oficinas. No que diz respeito aos sujeitos da pesquisa, espera-se que até 15 jovens (50%) do total de 30 participantes do “Projeto Juventude Camponesa” participem. Por fim, ressalta-se a importância de lançar luz junto as trajetórias desses sujeitos, suas histórias e importância, já que possuem uma experiência concreta que evidencia outra forma de existência e também, resistência, que podem significar uma contraposição aos ditames do modo de produção capitalista e de vislumbramento de outro tipo de sociedade.

 

PALAVRAS-CHAVE: Juventude Camponesa, Produção Associada, Trabalho.