Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
: Determinação do Suicídio em trabalhadores na Cadeia Produtiva do Agronegócio
Virgínia Luiza Silva Costa

Última alteração: 27-09-17

Resumo


A determinação da doença como da morte estão associadas à mediadores e mediações causais, que podem ser orgânicas, físicas e químicas suscetíveis às intervenções, mas nunca se apresentam de forma aleatória, pois os fenômenos não são aleatórios. O fenômeno do suicídio não é fruto de uma simples razão ou causa, é resultando de uma complexa interação de fatores biológicos, genéticos, psicológicos, sociais, culturais e ambientais. Estima-se que anualmente cerca de um milhão de pessoas morrem por suicídio em todo o mundo. Em 2014 a cada 40 segundos ocorreu um suicídio em algum lugar do planeta. No Brasil, em 2015 ocorreram 11.178 casos, com a taxa de mortalidade de 5,5/100mil habitantes.  Já no Mato Grosso no mesmo ano temos 147 casos notificados de suicídio, que representa a taxa de 4,5/100 mil habitantes. A ocorrência de suicídio apresenta números elevados entre homens, jovens, idosos, indígenas, em cidades de pequeno e de médio porte populacional, em grupos como imigrantes, homossexuais e transexuais e em certas categorias profissionais entre elas os trabalhadores agrícolas. O suicídio é causando por múltiplos fatores que possuem uma complexa interação. Desde Dejours e Bègue (2010), vislumbra-se a relação do processo de trabalho e os casos de suicídio, visível a partir da ocorrência de doenças mentais estando muitas vezes associados à precarização do trabalho, ao sofrimento social dos trabalhadores e a outros fatores como o uso intensivo de agrotóxicos na agricultura. OBJETIVO: Compreender os determinantes socioeconômicos, culturais e ambientais presentes no suicídio de trabalhadores inseridos na cadeia produtiva do agronegócio. METODOLOGIA: Esta pesquisa integra a pesquisa maior multiprofissional, interdisciplinar e participativa como tema “Avaliação da Contaminação Ocupacional, Ambiental e Alimentar por Agrotóxicos na Bacia do Juruena”. Para a compreensão dos aspectos presentes no fenômeno optou-se pela pesquisa exploratória com abordagem qualitativa. RESULTADOS: Os dados correspondem aos primeiros resultados encontrados referente aos casos de suicídio dentro do território do munícipio de Campos de Júlio – MT. Para discutirmos o suicídio para além das questões psicológicas que estão sempre mais próximas de uma justificativa plausível sendo amplamente aceita pela sociedade, vamos refletir sobre o suicídio mergulhando em alguns casos selecionados, analisando de forma densa da história de vida desses sujeitos focando em outros aspectos como o social, econômico, cultural e ambiental. Primeiramente levantamos os casos no município via SIM, sendo encontrado cinco casos de Suicídio nos últimos 10 anos (2005-2015). A segunda fonte de dado foi o questionário de morbidade autorreferida, onde rastreamos oito casos de suicídio no mesmo período. Neste estudo iremos considerar outros fatores que não estejam relacionados à doença mental ou que sejam anteriores a ela, como aqueles fatores que englobam o contexto laboral e condições de vida dos trabalhadores, através da reconstrução da história de vida dos sujeitos através da Autopsia Psicossocial, sendo demostrado no Quadro 1. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A compreensão dessa cadeia de relações do processo de trabalho com os casos de suicídio é muito importante pois, nos permitindo identificar onde e como devem ser feitas as intervenções, buscando sempre pontos para ações de vigilância e prevenção.