Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Representações sociais de crianças sobre os profissionais de saúde: implicações identitárias no contexto da hospitalização pediátrica
Andréia Maria de Lima Assunção, Daniela Barros da Silva Freire Andrade

Última alteração: 26-09-17

Resumo


A presente pesquisa, de abordagem psicossocial, adota como objeto de estudo as representações sociais de crianças hospitalizadas sobre os profissionais de saúde implicados em seu tratamento. Parte-se da compreensão de que as redes de significados partilhadas no contexto hospitalar pediátrico incidem sobre os processos de desenvolvimento ontogenético dos sujeitos que o compõem. Em atenção a isso, no interior do recorte proposto, pretende-se explorar as implicações identitárias e seus desdobramentos ao processo de representação de si segundo crianças. Esta pesquisa insere-se no projeto guarda-chuva intitulado “A construção do conhecimento social por crianças: estudo sobre vivências e significações infantis”, coordenado pela Prof.ª Dr.ª Daniela Barros da Silva Freire Andrade. Para a compreensão dos fenômenos psicossociais descritos, adota-se o diálogo entre a teoria das representações sociais (MOSCOVICI, 1978; JODELET, 2001; CASTORINA & KAPLAN, 2008; DE LAUWE; FEUERHAHN, 2001; NÓBREGA, 2001), em uma abordagem ontogenética (DUVEEN & LLOYD, 2008), e a teoria histórico-cultural (VIGOTSKI, 2000; 2006; 2009; 2010; PRESTES, 2010). O projeto que orienta esta investigação foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP Humanidades), da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Cuiabá. A produção de dados foi realizada na enfermaria pediátrica de um hospital do município de Cuiabá (MT) durante o período de três meses, tendo envolvido a participação de 26 crianças hospitalizadas, que foram entrevistadas e acompanhadas na ocasião de internação destas na referida instituição de saúde. A pesquisa delineou-se segundo contornos etnográficos (ANDRÉ, 2003), utilizando-se das técnicas de observação participante; entrevista, configurada pela adoção de um roteiro lúdico; e análise de documentos para a contextualização institucional e histórica, tendo sido coletados quatro depoimentos orais de profissionais com a finalidade de auxiliar na descrição acerca da constituição histórica do bloco pediátrico. Para a análise dessas informações, serão utilizados diferentes recursos. No que se refere às notas registradas em caderno de campo, estas serão analisadas compreensivamente segundo a delimitação de episódios. Os materiais textuais oriundos das transcrições das entrevistas com as crianças serão organizadas em três etapas: as respostas à questão 1 e às questões de 4 a 10 serão processadas pelo programa computacional IRAMUTEQ (CAMARGO; JUSTO, 2013a; 2013b; 2014); em relação as respostas à questão 3, formulada segundo a técnica de indução de metáforas (ANDRADE, 2006; 2007), estas serão analisadas a partir da proposta de núcleos de significação (AGUIAR & OZELLA, 2006; 2013; AGUIAR; SOARES; MACHADO, 2015); já a análise dos desenhos será configurada em conformidade com a forma definida como triangulação do pesquisador (APOSTOLIDIS, 2006), bem como considerará os conteúdos atribuídos e verbalizados pelas próprias crianças no momento de realização dos registros.

Palavras-chave: Infância, Hospitalização, Profissionais de saúde.