Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Evolução e estimativas instantâneas, horárias e diárias da radiação solar difusa na região de transição Cerrado-Amazônia
Tamara Zamadei, Adilson Pacheco de Souza

Última alteração: 29-09-17

Resumo


O conhecimento dos níveis de radiação solar em solo é imprescindível aos projetos de aproveitamento de energia, desenvolvimento de estudos sobre agricultura, meteorologia, química da atmosfera, evolução da camada de ozônio, realização de balanço de energia, qualidade do ar e interação clima/oceano; práticas de eficiência energética e de conforto térmico, dentre outros. Com a instalação do Campus Universitário de Sinop (UFMT), no ano de 2011 foi celebrada uma parceria com o Laboratório de Radiometria Solar da Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP e com o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP para o início dos monitoramentos das componentes direta e difusa da radiação global. Assim, em superfícies horizontais, desde 01 de junho de 2011 ocorrem medidas de rotina da radiação difusa por anel de sombreamento Melo-Escobedo e da radiação global nas equipartições instantânea, horária e diária. Os objetivos deste estudo são avaliar as evoluções diurna e anual dos níveis energéticos da radiação solar e das frações radiométricas; validar fatores de correção da radiação difusa medida pelo anel de sombreamento Melo-Escobedo em superfícies horizontais, nas equipartições instantânea e horária; obter/avaliar o desempenho de modelos de estimativa das radiações difusa horária e diária com base na razão de insolação e no coeficiente de transmissividade atmosférica. As irradiâncias global e difusa são monitoradas por piranômetros, sendo a difusa medida com base no anel de sombreamento proposto por MELO (1994). As evoluções diurnas serão obtidas por meio de valores médios horários anuais e médios horários mensais. Por sua vez, a evolução anual será dada pelos valores médios mensais diários. Serão propostas correções anisotrópicas, e a partir disso serão gerados e avaliados modelos estatísticos de estimativa em função da razão de insolação e do coeficiente de transmissividade. Serão estudadas as correlações entre as frações radiométricas de transmissividade atmosférica (topo da atmosfera) com os coeficientes de transmissividade global horário e diário, permitindo a obtenção das demais radiações com base na radiação no topo da atmosfera. Serão geradas equações com agrupamentos anuais, sazonais e mensais, com validações das equações anuais nos anos, nas estações e nos meses; das equações sazonais, nas estações e nos meses; e das equações mensais apenas nos meses. Na avaliação do desempenho das equações de estimativa diária e mensal das radiações global, direta e difusa nas superfícies horizontais serão empregados os indicativos estatísticos MBE, RMSE, e “d” de Willmott. Serão calibrados e validados modelos de estimativa encontrados na literatura, de acordo com as equipartições estudadas. Até o presente momento, foram avaliados dados e geradas curvas de evolução da radiação global e no topo da atmosfera, com os respectivos desvios. Assim como calculados os coeficientes de transmissividade atmosférica.