Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, IX Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
APRENDIZAGEM COLABORATIVA NO ENSINO DE QUÍMICA ORGÂNICA
Ataiany dos Santos Veloso Marques, Edna Lopes Hardoim

Última alteração: 28-09-17

Resumo


A presente pesquisa insere-se na linha Fundamentos e Metodologias para a Educação em Ciências e Matemática do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM), da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC) polo acadêmico UEA. Caracteriza-se como uma pesquisa de natureza qualitativa, cujo objeto de estudo foi desenvolver e aplicar uma proposta metodológica baseada na aprendizagem colaborativa no ensino de cadeias carbônicas para alunos do curso de informática. Os lócus da pesquisa foi o Instituto Federal do Amazonas (IFAM – Campus Parintins) localizado no município de Parintins – AM com alunos do 3º ano do Ensino Médio Integrado. Os sujeitos foram 37 (trinta e sete), sendo 33 (trinta e três) alunos e 4 (quatro) professores. A pesquisa foi delineada a partir do Estudo de Caso – aqui definida como “o estudo de um caso dentro de um ambiente da vida real contemporânea”, por meio da coleta de dados detalhada em profundidade envolvendo múltiplas fontes de informação. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista com alunos e professores, observação no desenvolvimento da proposta metodológica e documentos regulares (atividades) dos alunos. Como resultado preliminar dos dados coletados podemos dizer que a Aprendizagem Colaborativa contribui para aprendizagem do conteúdo de cadeias carbônicas, proporcionou melhor interação entre aluno-aluno e aluno-professor, contribui no desenvolvimento de habilidades sociais e futuras interações profissionais em grupo. Mas também podemos dizer que uma parte dos alunos, sujeitos da pesquisa, preferiam que o conteúdo de cadeias carbônicas fosse trabalhado por meio de transmissão de conteúdo - o professor expondo o conteúdo no quadro e os alunos anotando. Como podemos observar em uma breve análise dos dados transcritos, alguns apresentaram forte resistência a aprendizagem colaborativa, preferindo o método tradicional, que o professor prepara a aula e eles copiam no caderno, seguido de exercícios e avaliação.