Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A EFICÁCIA E LIMITES DO MÉTODO CHIS (CANOPY HEIGHT INVASIVE SPECIES) NA DETECÇÃO DE PLANTAS INVASORAS POR MEIO DE IMAGENS DE AERONAVES REMOTAMENTE PILOTADAS (DRONE)
Dhonatan Diego Pessi, Normandes Matos da Silva

Última alteração: 20-09-19

Resumo


O objetivo dessa pesquisa é analisar se o método CHIS (Canopy Height Invasive Species) representa uma rotina de classificação assertiva na identificação de espécies invasoras a partir de imagens RGB em área de Cerrado com evidência de perturbação. A metodologia empregada foi a produção dos modelos de elevação MDS e MDT a partir das imagens coletadas em campo com drone e posteriormente processadas no software PhotoScan. A produção do CHIS foi a partir da subtração dos modelos MDS e MDT. Para aferir a precisão do modelo CHIS foi gerado dois modelos convencionais para comparação: classificação não supervisionada K-means e índice de vegetação NGRDI. A comparação entre os modelos se deu em duas áreas amostrais escolhidas de forma não aleatória. Ao final foi aplicado teste de acurácia, correlação e Cohen’s Kappa. Os resultados demonstram que o modelo CHIS obteve os melhores resultados na identificação de espécies invasoras quando comparado com os modelos K-means e NGRDI. Os testes de acurácia para o modelo CHIS na área amostral 1 e 2 foi de 0.973 e 0.9 respectivamente; K-means 0.209 e 0.6; NGRDI 0.795 e 0.518. O modelo CHIS demonstrou ser promissor na identificação de espécies invasoras em áreas perturbadas quando comparado com modelos convencionalmente usados.

Palavras-chave


RPA; gestão ambiental; sensoriamento remoto; CHIS