Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
TRATAMENTO DE EFLUENTE CONTENDO METOMIL E IMIDACLOPRIDO EM REATOR HERMÉTICO FOTOLÍTICO SOLAR
Lucas Balsan

Última alteração: 23-09-19

Resumo


Em consonância com a obrigatoriedade de posse do pátio de descontaminação, conforme prevê a Instrução Normativa n°2, instituída no Brasil pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em 2008, este estudo propôs desenvolver e avaliar um modelo aprimorado do item de instalação requerido para o pátio, denominado reservatório de retenção, solarização e evaporação de água de lavagem dos tanques pulverizadores das aeronaves agrícolas. Consiste em um sistema fotolítico hermeticamente fechado, para reter, solarizar e evaporar água de forma segura, aproveitando a luz solar como fonte de energia perpétua e gratuita para mitigar os riscos de contaminação e custos energéticos no tratamento de efluente contendo pesticidas. A luz solar e o calor gerado através da absorção da radiação podem promover e acelerar a degradação dos pesticidas metomil e imidacloprido em solução mista. O experimento consistiu na comparação de três reatores, dois hermeticamente fechados, sendo um fechado para incidência de luz com tampa de alumínio tingida de preto fosco para potencializar a absorção da radiação e geração de calor, e o outro claro, aberto para transmitância de luz através de uma tampa de vidro transparente comum em borossilicato, permitindo a atuação do efeito estufa. O terceiro reator foi construído de forma aberta para atmosfera e entrada da irradiação solar, com exposição da solução mista a evaporação. Por comparação entre os reatores, foi possível avaliar a contribuição da radiação para a transformação energética conforme as peculiaridades inerentes aos aspectos construtivos de cada reator. O monitoramento da temperatura do efluente em regime estático no interior dos reatores foi realizado por meio de sensores termopares. Foram monitoradas as variáveis ambientais de temperatura, umidade relativa do ar e temperatura do ponto de orvalho, por meio de sensores com função datalogger. A iluminância foi lida através de um luxímetro portátil, para posterior conversão desses dados em lux, para radiação em W.m-2 . Utilizou-se cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) para a determinação das concentrações residuais dos pesticidas após tratamento do efluente por meio dos reatores. Foram realizados ensaios, sendo os tratamentos, reator escuro hermético (EH), reator claro hermético (CH), reator claro aberto (CA) e referência no escuro submetida a 24±1°C (R), avaliados para os valores de concentração residual, obtidos pela média das triplicatas, após a fotodegradação diária de cada pesticida em solução mista, por um período de 13 dias de solarização e 14 dias de coleta amostral considerando o tempo inicial. Os ensaios de fotodegradação mostraram que o reator EH não degrada os pesticidas estudados e o reator CA, concentra-os devido à evaporação da água, formando um efluente mais tóxico que o original, podendo expor a saúde ocupacional e meio biótico. O reator CH foi o único eficaz em reduzir as concentrações dos pesticidas em estudo, com valores estimados pelo modelo cinético de degradação de primeira ordem de DT50 de 88,86 dias e DT90 de 295,20 dias para o metomil, com o valor da constante k=0,0078 e, para o imidacloprido, o valor de k=0,0405 resultou em estimativas de DT50 e DT90 em 17,11 e 56,85 dias, respectivamente.

Palavras-chave


Fotólise aquosa; Fototermólise; Pesticidas; Cinética de fotodegradação.