Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeito do monóxido de carbono no armazenamento de sementes de soja e milho cultivadas no estado de Mato Grosso
Nahyara Batista Caires Galle, Niédja Marizze Cézar Alves, Analy Castilho Polizel de Souza, Thiago Aurélio de Arruda Silva

Última alteração: 20-09-19

Resumo


O Brasil atualmente é um dos países com maior produção agrícola, sendo que o estado de Mato Grosso tem obtido um grande destaque nessa área. Ainda dentro desse contexto a soja e o milho tem um papel fundamental no desenvolvimento agro econômico dessa região, sendo comercializado tanto o produto como seus derivados, representando um dos principais commodities da exportação brasileira. Desta forma para que a comercialização desses produtos se mantenha com alto nível de qualidade, assim como o abastecimento do mercado interno, exige-se que haja sementes com potencial fisiológico cada vez mais elevado. Para atender essa alta produção, tanto do milho como da soja e manter a qualidade do produto por um período mais longo, tem-se utilizado estruturas de armazenagem de sementes com ambiente controlado. Nessas unidades, diversas técnicas são empregadas para a movimentação dos grãos e sacarias abrigadas em seu interior, sendo que as mais comuns são as empilhadeiras. Esses veículos possuem motor a combustão, as quais comumente utilizam o gás liquefeito de petróleo como combustível. A queima incompleta desse combustível gera um gás inodoro, incolor, insípido, e altamente prejudicial à saúde humana denominado monóxido de carbono. Uma vez que, o ambiente nesse sistema deve ser completamente hermético deve-se examinar a concentração dos gases oriundos da combustão desses veículos. No corpo humano, esse gás age sobre a hemoglobina presente nas células vermelhas do sangue e as torna ineficientes no desempenho de sua função essencial: transportar oxigênio pelo corpo. Nesse sentido, sabendo que as sementes armazenadas também são expostas a este gás, é necessário verificar a influência dele nas sementes e analisar a manutenção da qualidade fisiológica. Diante do exposto anteriormente o objetivo do estudo os efeitos do monóxido de carbono na qualidade fisiológica das sementes de espécies de grande interesse econômico no estado de Mato Grosso, como a soja e o milho, durante o armazenamento. O trabalho será realizado em duas etapas paralelas, sendo que a primeira etapa constará da exposição das sementes em armazéns às concentrações de monóxido de carbono provenientes de motores de empilhadeiras de embalagens. As amostras de sementes serão retiradas, mensalmente, das embalagens e submetidas a análises relacionadas a qualidade fisiológica. A segunda etapa será composta pelas sementes que serão analisadas em câmara fria com concentração do gás monóxido de carbono utilizada nos armazéns em fazendas, em ambiente de simulação. Mensalmente amostras de sementes serão retiradas e analisadas quanto a sua qualidade fisiológica. Após encerrada as análises, espera-se determinar qual a influência, bem como a concentração de monóxido de carbono, sobre as sementes de milho e soja.

Palavras-chave


Pós-colheita; vigor; qualidade fisiológica