Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
POTENCIAL DE DESCOMPACTAÇÃO DE UM LATOSSOLO VERMELHO UTILIZANDO NABO FORRAGEIRO
Aline de Souza Sabóia

Última alteração: 20-09-19

Resumo


O solo quando mal manejado pode apresentar limitações físicas que ocasionarão problemas no desenvolvimento das plantas, podendo até mesmo inviabilizar o uso da área agrícola. Por este motivo, a rotação de culturas com espécieis que apresentam sistema radicular vigoroso e agressivo vem sendo adotadas por grande parte dos produtores, que visam promover em longo prazo, melhorias na qualidade física do solo. O nabo forrageiro (Raphanus sativus L.) é uma espécie de inverno que por possuir raiz do tipo pivotante e com grande alcance em profundidade, tornou-se uma planta útil na descompactação das camadas mais profundas do solo, além de contribuir na recuperação de nutrientes, quando feita sua incorporação como cobertura vegetal. Seu emprego já é bastante comum nas regioes sul, sudeste e centro-oeste do Brasil, porém, ainda são poucos os estudos cientificos que comprovam seu potencial descompactador. As pesquisas experimentais quando conduzidas em casas de vegetação, devem reproduzir a realidade do campo e por isso, existe uma criteriosa análise dos materiais a serem empregados, tendo em vista que esses podem interferir diretamente nos resultados obtidos. Os vasos experimentais comumente empregados, quando referentes a análise de descompactação, não possibilitam a planta a apresentar todo o seu potencial devido rigidez de seu material. Devido a isso, o poliuretano por ser um produto sólido, com textura de espuma, que pode assumir diferentes formatos e que apresenta caracteristicas como boa resistência mecânica, impermeabilidade e não alteração das características químicas do solo, tem se apresentado como material alternativo para realização desses experimentos. Objetiva-se avaliar o potencial de descompactação de um latossolo vermelho utilizando nabo forrageiro. O experimento será realizado em casa de vegetação da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis. O delineamento experimental será em blocos casualizados em esquema fatorial 5x2 correspondentes a cinco densidades do solo (1,0, 1,2, 1,4, 1,6 e 1,8 Mg m-3) e dois vasos experimentais (Policloredo de Vanila - PVC e Poliuretano Expansivel), com cinco repetições. O solo utilizado é classificado como Latossolo Vermelho e será coletado na camada de 0-0,20 m em área sob vegetação de Cerrado. As unidades experimentais compostas por vasos de Policloredo de Vanila serão confeccionadas com três anéis cilíndricos e simétricos sobrepostos, com 200 mm de diâmetro e 300 mm de altura, totalizando um volume de 9,4 dm³. Cada anel representará uma camada de solo de 0,1 m. Para os vasos de poliuretano, será feito o molde de espuma em torno de três colunas de solo sobrepostas correspondentes ao volume dos vasos de PVC.  A compactação será realizada com o auxílio de uma prensa hidráulica modelo P15ST da marca BOVENAU®, na camada intermediária 0,1-0,2 m, preenchida com solo suficiente para alcançar as densidades almejadas. As variaveis avaliadas serão: número de folhas, altura de planta, diâmetro de caule, índice de clorofila SPAD (Soil Plant Analysis Development), massa fresca e massa seca da parte aérea, volume de raiz, massa seca da raiz, relação massa seca parte aérea/raiz e teor de óleo das sementes. Os dados experimentais serão submetidos à análise estatistica.

Palavras-chave


Raphanus Sativus L., Compactação do solo, Poliuretano