Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Protocolos para quebra de dormência em sementes de Mamona
Ana Carolina Campos Baldunio, Analy Castilho Polyzel, Niedja Marizze César Alves

Última alteração: 20-09-19

Resumo


A cultura da Mamona (Ricinus comunis L) tem despertado o interesse de produtores do Centro-Oeste Mato-Grossense devido às suas características de rusticidade, menor exigência hídrica, e melhorias que a planta promove nas condições químicas, físicas e biológicas do solo, além de ser uma alternativa para a entressafra e rotação com as culturas anuais. Por isso, a Ricinocultura requer sementes de alta performance e devido à rusticidade das plantas de mamona suas sementes apresentam germinação lenta e desuniforme, o que compromete o estabelecimento do estande de plântulas em campo, além de favorecer o ataque de patógenos. Em laboratórios a germinação demorada e irregular das sementes de mamona prolongam o tempo para obter resultados dos testes germinação e vigor, além da causar divergências de resultados quando teste de vigor e germinação são avaliados em conjunto com o teste de Tetrazólio. A irregularidade e demora na germinação e emergência das sementes de mamona tanto em campo quanto em laboratório pode ser atribuída ao impedimento físico devido à rigidez e espessura do tegumento que dificulta a absorção de água pelos tecidos da semente, ou uma dormência pós-colheita que é a dureza tegumentar. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o desempenho de sementes de Mamona cultivares AL Guarany 2002, Ag ima 110204, e Tamar submetidas á diferentes protocolos de tratamentos para quebra da dureza tegumentar. De cada cultivar analisada será obtido um lote de sementes que será caracterizado pelo teste de tetrazólio e germinação em areia. Posteriormente serão submetidos aos Protocolos: 1-Sementes embebidas: Testemunha com sementes intactas; Imersão em água á temperatura ambiente 25°C por 12, 24, e 48 horas; Imersão em água à temperatura de 80°C e posterior esfriamento natural das sementes por 12, 24, e 48 horas; e Imersão em água à temperatura de 80°C por um e cinco minutos. Protocolo 2- Escarificação Mecânica e imersão em água: Escarificação do tegumento com lixa; Remoção da carúncula + Escarificação do tegumento; Escarificação do tegumento com lixa + Remoção da carúncula e imersão em água á temperatura ambiente de 25°C por 12 24 e 48 horas. Protocolo 3- Escarificação química com ácido sulfúrico concentrado (H2 SO4): Escarificação com ácido sulfúrico concentrado (95%) por 1, 5 e 10 minutos. Protocolo 4- Envelhecimento acelerado (EA) em sementes com e sem carúncula: Sementes intactas submetidas ao EA em BOD a 41ºC durante 48 horas, sementes sem carúncula submetidas ao EA em BOD à 41ºC durante 24 horas. Logo após os lotes de sementes das cultivares passarem pelos tratamentos pré-germinativos as sementes serão submetidas aos testes de germinação em papel, e germinação em areia seguida da avaliação do Índice de velocidade de germinação (IVG), índice de velocidade de emergência (IVE), e matéria seca de plântulas.

Palavras-chave: Ricinus comunis, Germinação, Dureza tegumentar


Palavras-chave


Ricinus comunis, Germinação, Dureza tegumentar