Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
EFEITO DA CINZA VEGETAL E COMPACTAÇÃO DO SOLO NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE IPÊ-AMARELO.
Elisa Ribeiro Oliveira, Tonny José Araújo da Silva, Edna Maria Bonfim-Silva

Última alteração: 20-09-19

Resumo


A espécie Handroanthus ochraceus (Cham.) Mattos, conhecida como Ipê-amarelo ou ipê-cascudo, é nativa da região do cerrado brasileiro e de ocorrência para o Estado do Mato Grosso. Esta espécie apresenta madeira com elevada densidade, cerca de 1,01 g cm-3, a madeira apresenta alta resistência mecânica e de longa durabilidade, mesmo quando em condições favoráveis ao apodrecimento. Ademais, apresenta potencial paisagístico em função de seu florescimento exuberante. Esta espécie é adaptada para se desenvolver em condições de baixa fertilidade e umidade do solo, por isso, possui potencial para plantios em áreas degradadas. A cinza vegetal tem em sua composição teores variados principalmente de Fósforo, Potássio e Cálcio. Devido à presença desses nutrientes a adição de cinza vegetal também tem capacidade de melhorar a fertilidade dos solos. Com base no exposto, objetivou-se avaliar o efeito de densidades do solo associadas a doses de cinza vegetal no desempenho da cultura de Handroanthus ochraceus em Latossolo Vermelho, predominante no Cerrado mato-grossense. O experimento será realizado no Instituto de Ciências Agrárias e Tecnológicas, da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Rondonópolis – MT. A implantação do estudo será em condições controladas (casa-de-vegetação), a cultura utilizada será o Handroanthus ochraceus (Cham.) Mattos. O delineamento experimental adotado será em blocos casualizados em fatorial 5x5 correspondentes a cinco densidades do solo (1,0, 1,2, 1,4, 1,6 e 1,8 Mg m-3) e cinco doses de cinza vegetal (0, 8, 16, 24, 32 g dm-3), com quatro repetições, totalizando 100 unidades experimentais. O solo utilizado será coletado na camada de 0-0,20 m de profundidade em área sob vegetação de Cerrado, e passado em peneira de malha de 4mm para composição do solo das unidades experimentais. A cinza vegetal será adquirida de indústria alimentícia do município de Rondonópolis, MT proveniente da queima de fornalhas utilizadas durante a secagem e beneficiamento de produtos agrícolas. O solo será incubado com as respectivas doses de cinza vegetal (0, 8, 16, 24, 32 g dm-3) por um período de 30 dias e será mantida a umidade do solo a 60% da capacidade máxima de retenção de água com o intuito de promover a reação do material. As unidades experimentais serão compostas por vasos confeccionado com três anéis cilíndricos e simétricos de Policloredo de Vanila (PVC) sobrepostos, com 200mm de diâmetro e 300mm de altura, totalizando 9,4 dm³. A compactação será realizada no solo já incubado, visando avaliar o efeito da adição do resíduo em relação as densidades do solo. As sementes de Handroanthus ochraceus serão obtidas de árvores matrizes, localizadas na região de Rondonópolis-MT, e postas pra germinar em sementeiras, para posterior repicagem. Cada unidade experimental será composta por uma planta. Para a análise dos resultados obtidos serão avaliados os parâmetros relacionados com a eficiência do uso da água, o pH do solo e variáveis fitométricas e produtivas das plantas. Com o uso da cinza vegetal e compactação do solo, espera-se obter mudas de Handroanthus ochraceus de boa qualidade e com baixos custos de produção.

Palavras-chave


Handroanthus ochraceus, cinza vegetal, compactação do solo.