Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
INVESTIGAÇÃO DE METABÓLITOS SECUNDÁRIOS PRODUZIDOS POR FUNGOS ENDOFÍTICOS DA SEMENTE DE MORINGA OLEIFERA LAM.
Poliana Cardoso Braun, Helder Lopes Teles, Camila Pereira Volgevoda, Marcos Antônio Soares, Letícia Silveira Goulart, Helen Cristina Fávero Lisboa

Última alteração: 23-09-19

Resumo


O aumento da resistência de microrganismos aos antibióticos usualmente utilizados tem sido a causa de grande preocupação tanto na área de saúde humana, quanto na agricultura para a produção de grãos. Ainda neste cenário, a falta de controle de microrganismos resistentes na agricultura, tem ocasionado um grande prejuízo financeiro, além dos impactos ambientais pelo uso indevido de agroquímicos. Sendo assim, torna-se necessária a descoberta de novas moléculas bioativas com efeitos antibióticos. Nesse contexto, os estudos químicos de produtos naturais a partir de microrganismos vêem apresentando resultados de alto impacto nas últimas décadas, fornecendo diversas moléculas com atividade antibiótica. Sua principal vantagem comparada às outras áreas de estudo, é o crescimento em grande escala desses microrganismos, em curtos períodos e com menores impactos ambientais. Dentro deste nicho, destacam-se os fungos endofíticos, que vivem no interior das células das plantas de forma harmônica, auxiliando em seu crescimento, defesa e resistência a partir de seus metabólitos secundários. Portanto, o objetivo deste trabalho foi a extração, purificação e avaliação cromatográfica dos metabólitos secundários produzidos por fungos endofíticos associados a moringa (Moringa oleifera) visando a identificação de moléculas antifúngicas e antibacterianas em potencial. Foram isoladas 32 linhagens de diversas partes da planta (folha, caule, semente e flor). Os endófitos foram crescidos em 05 placas de Petri com meio BDA (Batata-Dextrose-Agar) por sete dias, repicados e inoculados em 200 mL de meio de cultura BD estéril, em duplicata, e incubados com agitação orbital de 100 rpm a 29 ºC, por 15 dias. A suspensão micelar foi filtrada e a fase aquosa submetida à partição com acetato de etila (AcOEt), seguido de secagem da fase orgânica em rotaevaporador à vácuo, obtendo-se os extratos brutos. Estes foram solubilizados com metanol:água (95:5) na concentração de 20 mg/mL, submetidos à extração em fase sólida em cartucho Sep-Pak (1g sílica C-18) e analisados através de Cromatografia Líquida de Alta Eficiência (CLAE-DAD) em método de gradiente exploratório [coluna C18 analítica, metanol:água (5:95) 40’ (100:0)]. A análise dos cromatogramas preliminares possibilitou a seleção do fungo MOS02, no qual foi novamente cultivado em maior escala (50 placas de Petri com 20 mL,) nas mesma condições anteriores, obtendo-se 1493,5 mg (extrato bruto). O extrato foi submetido à separação cromatográfica em coluna aberta com sílica gel e MeOH:AcOEt:Hex (15:35:50) como fase móvel, sendo obtidas 48 frações de 10 mL, posteriormente analisadas por CCDC e agrupadas em 14 frações. Estas foram analisadas via CLAE-DAD em gradiente exploratório nas mesmas condições anteriores, sendo selecionadas as frações MOS02F23, MOS02F26 e MOS02F36, para posterior isolamento das moléculas e elucidação por Ressonância Magnética Nuclear (RMN). Considerando os resultados obtidos, ratifica-se o potencial dos fungos endofíticos para a produção de diferentes metabólitos.


Palavras-chave


bioprospecção; fungos endofíticos; química de produtos naturais; cromatografia líquida