Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
CONFLITOS PELO USO DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO VERMELHO: UM ENFOQUE NA AVALIAÇÃO DE RISCOS ECOLÓGICOS.
Jaqueline Dias de Andrade, Rodrigo Berger Belin, Acsa Borghetti Silva, Domingos Sávio Barbosa

Última alteração: 23-09-19

Resumo


Os conflitos pelo uso dos recursos hídricos estão relacionados não apenas a sua escassez, mas também na deficiência da gestão desses recursos. A ocupação e urbanização de áreas sem o conhecimento prévio de suas suscetibilidades e restrições de uso podem comprometer os recursos naturais, entre eles, a água enquanto recurso hídrico. Os homens sempre procuraram se alicerçar ao longo dos grandes rios para ter água e vias de transportes próximos. O que ao mesmo tempo, com o desenvolvimento urbano causou a deterioração desses recursos hídricos, comprometendo sua quantidade e qualidade. O que ao mesmo tempo, com o desenvolvimento urbano causou a deterioração desses recursos hídricos, comprometendo sua quantidade e qualidade. Segundo dados divulgados pela Embrapa (2017) no Brasil as áreas consideradas urbanas representam menos de 1% do território nacional (0,63%) e concentram 160 milhões de pessoas, ou seja, 84,3% da população brasileira. Com uma análise de cunho exploratório o presente estudo contou com a elaboração metodológica baseada no método de Avaliação de Riscos Ecológicos – ARE proposta por Sutter II, focando nesse primeiro momento na etapa de elaboração do problema, a qual nos trás como objetivos a avaliar os diferentes usos da água, construir um modelo conceitual da relação entre as diferentes finalidades do uso dos recursos hídricos e propor um plano de análise do cenário de risco dos conflitos pelo uso da água na bacia hidrográfica do Rio Vermelho. A qual está localizada em uma região de cerrado, com uma grande diversificação de atividades econômicas e industriais, sendo responsável pelo abastecimento do município de Rondonópolis, que segundo dados do IBGE em 2018 era a terceira maior cidade do estado, com uma taxa de crescimento populacional de 2,94% entre 2017 e 2018, com 228.857 habitantes. Com o estudo foi possível realizar a caracterização dos diferentes usos da água dentro da bacia hidrográfica, foi possível verificar a importância de se considerar os riscos de escassez dos recursos hídricos, o risco de contaminação dos corpos d’água. Foi destacada ainda a necessidade de se analisar e organizar os muitos e diferentes usos dos recursos hídricos a fim de propor um modelo de gestão da bacia hidrográfica do Rio Vermelho, o que seria uma maneira de melhorar a relação das diferentes atividades existentes dentro da bacia com as matrizes ambientais, reduzindo os conflitos e incentivando uma cultura de uso eficiente dos recursos hídricos e ainda contribuir para a continuidade das atividades. O estudo também possibilitou a identificação e localização dos principais pontos de capitação de água e também dos pontos de diluição de efluentes nos cursos d’água dentro de toda a extensão da bacia. Onde a partir dessa identificação foram construídos mapas para direcionar nas etapas seguintes da ARE.


Palavras-chave


Recursos Hídricos; Avaliação de Riscos Ecológicos; Bacia Hidrográfica; Conflitos Pelo Uso da Água.