Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A INCLUSÃO DE IMIGRANTES NEGROS NO ENSINO SUPERIOR
Verônica Gomes de Oliveira

Última alteração: 23-09-19

Resumo


As desigualdades socioeconômicas, culturais, raciais e geográficas estão cada vez mais evidentes no âmbito educacional e vislumbrando a compreensão dos fatores que contribuem para a configuração social contemporânea, muitos pesquisadores se empenham em propor reflexões acerca da existência de um labiríntico processo de acesso de imigrantes negros ao ensino superior. No Brasil, as relações étnico-raciais têm forte ligação com o processo histórico de colonização do país e seus reflexos ressoam até os dias atuais e também podem ser notados no contexto histórico relativo à criação das primeiras universidades brasileiras, cuja finalidade consistia em atender as demandas daqueles que pertenciam às classes sociais opulentas e, portanto, privilegiadas com a garantia de ascensão econômica junto à sociedade. A Teoria Crítica faz ponderações acerca do nexo que é igualmente indispensável aos movimentos sociais e as modificações escolares, pois as instituições direcionadas ao ensino são remodeladas à medida que transformações sociais também ocorrem e, com elas, irrompem tendências educacionais inovadoras que possibilitam, dentre tantas variáveis, o convívio com as diferenças que ali existem. A perspectiva da Educação Inclusiva fornece à sociedade um novo panorama educacional, pois compreende que a inclusão é direito de todos os cidadãos, inclusive daqueles oriundos de minorias linguísticas, étnicas e culturais que também pertencem a grupos caracterizados como ­­­desavantajados ou marginalizados. Assim, a educação torna-se parte da experiência humana permitindo que estudantes assumam o papel de sujeitos de conhecimento que conseguem transpor os desafios da exclusão e da marginalização social e institucional. A escolha da presente temática parte do entendimento de que o preconceito racial e a xenofobia são formas de violência amplamente empregadas com o intuito de legitimar a dominação por parte de grupos sociais autoritários. Embora haja, no século XXI, inúmeros instrumentos legais que assegurem aos negros e imigrantes o ingresso no ensino superior, estes dispositivos legais não revelam quais ações ou estratégias devem ser adotadas a fim de promover a inclusão destes grupos considerados minoritários e que, do mesmo modo, possam minorar a segregação e a exclusão de pessoas que são vitimadas pelos efeitos devastadores do preconceito racial e da xenofobia introjetados na concepção de brasileiros que possuem apenas um único ideal de sociedade. Para a realização desta pesquisa, a metodologia consiste em uma pesquisa qualitativa com análise de dados coletados por intermédio da aplicação de entrevistas semiestruturadas com os imigrantes negros que ingressaram na Universidade Federal de Mato Grosso - Campus de Rondonópolis. Os resultados iniciais remetem às reflexões teóricas referentes a concepções da Teoria Crítica da Sociedade e dos estudos sobre Educação Inclusiva e permitem entender aspectos acerca do preconceito racial e de como ocorre a inserção dos imigrantes negros no ensino superior.


Palavras-chave


Imigrante negro, Inclusão, Ensino superior.