Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
REPRESENTAÇÕES DE INFÂNCIA, JUVENTUDE E EDUCAÇÃO EM CRÔNICAS DE EDUCAÇÃO, DE CECÍLIA MEIRELES (1930-1933)
Mariana Mattos Pereira

Última alteração: 23-09-19

Resumo


Dentre as facetas da produção de Cecília Meireles, temos mais familiaridade com seus escritos literários. Contudo, sua atuação profissional como professora legou-lhe uma preocupação central por toda sua carreira com a reflexão sobre a educação, tendo militado pela renovação da educação e ampliação da escola pública nos anos 1930. Meireles enquanto responsável pela Página da Educação, no jornal Diário de Notícias, do Rio de Janeiro, de 1930 a 1933, produziu em sua coluna Comentários várias crônicas. A questão central desta pesquisa é analisar, na perspectiva dos Estudos Culturais, quais representações de Infância, Juventude e Educação estão presentes nessas crônicas, no intuito de compreender tal preocupação de Cecília Meireles para com as crianças e os jovens enquanto sujeitos socioculturais. Busca-se também apresentar quais correlações existem entre suas crônicas de militância pedagógicas e sua produção literária dedicada a estes temas. As primeiras impressões sugerem a ideia de criança e de jovem como sujeitos que não recebem a devida atenção e respeito perante suas particularidades: a criança tem importância secundária, não é ouvida, muito menos respeitada; e o jovem, não sendo nem criança e nem adulto está fadado às vicissitudes da faixa etária, mas se destaca pela coragem e o entusiasmo às questões nacionalistas. Ambos são representados como sujeitos que precisam e merecem a preocupação dos educadores e da família, para que construam uma relação mais intimista e de confiança, recebendo assim a compreensão e a educação devida e merecida.

 


Palavras-chave


Educação; Juventude; Cecília Meireles.