Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Variabilidade no particionamento de energia no Pantanal Mato-Grossense
Jonh Billy Silva

Última alteração: 10-10-19

Resumo


Nas últimas décadas, a preocupação com os possíveis impactos da ação antropogênica sobre o meio ambiente tem aumentado. Em particular, especula-se que as alterações no ambiente terrestre podem ser grandes o suficiente para alterar a dinâmica da interação biosfera e atmosfera. Nos últimos anos vem se intensificando no Mato Grosso a urbanização e a criação de bovinos, especialmente no Pantanal. Este avanço se dá à custa de desmatamento (dependentes da utilização do fogo para eliminar os restos de vegetação resultante do corte e derrubada da mata local, ocasionando perca da matéria orgânica e alta concentração de dióxido de carbono no ar) e da expansão da agricultura e pecuária, podendo estar alterando os fluxos de matéria e energia entre os ecossistemas levando a alterações nos processos ambientais. Apesar dos estudos apontarem para uma tendência às mudanças climáticas, ainda pouco se sabe sobre os efeitos que essas mudanças trarão para o meio ambiente e para a vida do homem a curto, médio e longo prazo. Quando ocorrem alterações na partição de energia entre o calor latente e o calor sensível, há alterações nos fluxos da superfície e como resultado modificam o microclima. Desse modo, tornam-se necessários estudos dessas interações entre a superfície e a atmosfera, como é o caso da Evapotranspiração e da condutância do dossel, que pode ser analisada fim de explorar o controle biológico das variações sazonais da Evapotranspiração. A maior parcela do saldo de radiação é transformado em fluxo de calor latente influindo no ciclo hidrológico, no desenvolvimento da camada limite, no tempo e no clima. Essas componentes são afetadas pela disponibilidade de água no solo, cobertura vegetal, radiação que chega ao sistema, dentre outros fatores. Assim, compreender suas dinâmicas, bem como as variáveis micrometeorológica que influenciam essa dinâmica faz deste estudo um trabalho promissor para a compreensão dos processos ambientais do Pantanal Mato-Grossense. Até agora, os estudos em relação aos fluxos de energia no Pantanal Mato-Grossense, tem se limitado em avaliar os padrões dos valores desses fluxos, sem fazer inferências quanto às interferências que as variáveis ambientais provocam nos valores dos fluxos de calor latente e sensível, bem como as relações entre o ambiente a inter-sazonalidade e a sazonalidade desses valores. Assim, o objetivo geral desse trabalho será examinar os fatores de controle físicos e fisiológicos sobre o Pantanal Mato-Grossense, estudando as variações sazonais e interanuais do particionamento de energia para os dois ecossistemas, além de examinar e quantificar as variáveis condutância do dossel (usando a equação de Penman-Monteith invertida), fator de desacoplamento e o coeficiente de Priestley-Taylor, através das variações sazonais e interanuais na evapotranspiração (fluxo de calor latente) e do fluxo de calor sensível.


Palavras-chave


Condutância do dossel, Fator de desacoplamento, Coeficiente de Priestley-Taylor