Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Errantes Urbanos: funções corporais e táticas de sobrevivência dos moradores de rua em Cuiabá
Juliano Batista dos Santos, José Serafim Bertoloto

Última alteração: 12-10-19

Resumo


A presente tese é o resultado de um longo estudo sobre as pessoas em situação de rua no município de Cuiabá, mais precisamente na região geograficamente denominada de Centro Norte. Por ser de caráter interdisciplinar, seu conteúdo, apropria-se de diferentes epistemologias para a compreensão das condições da população de rua da/na capital mato-grossense que, por antropomorfização, transformam, mesmo que por um curto período, os não-lugares em lugares para estar e/ou habitar. Subversões de ações, objetos e espaços capazes de tornar baixios, praças, parques, calçadas, orlas, morros, matas etc. em “casas”. Não uma casa tradicional, como nós a conhecemos, mas sim como um território onde se busca sobreviver com o pouco que existe: arte-fatos e afetos que, por produção qualificada da cidade, no sentido certeauniano, adequam ambientes, corpos, relações e necessidades cotidianas. Unidade da multiplicidade possível graças as artes de fazer, isto é, de tornar o inútil em útil, o público em privado, o pouco ou quase nada em suficiente; mas não só. Ser morador de rua também implica no desenvolvimento e emprego de astúcias sutis, conforme cada ocasião, momento e circunstâncias. Um aprendizado imprescindível à sobrevivência de quem está ao léu e entregue à própria sorte. Táticas de resistências cujas performances, reveladas na pesquisa, operam como contrafluxo aos projetos racionalistas que visam domesticar os corpos dos ditos cidadãos, colocando-os à serviço do capital.


Palavras-chave


Cuiabá, Errantes Urbanos, Moradores de Rua