Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Estudantes quilombolas em escolas urbanas de Chapada dos Guimarães/MT: a contribuição da Geografia no processo de ensino-aprendizagem
eliane das grassas rocha gonçalves

Última alteração: 24-09-19

Resumo


A presente pesquisa intitulada Estudantes quilombolas em escolas urbanas de Chapada dos Guimarães/MT: a contribuição da Geografia no processo de ensino-aprendizagem tem por objetivo analisar o processo de ensino-aprendizagem dos estudantes de duas Comunidades Quilombolas – Lagoinha de Cima e Lagoinha de Baixo - situadas na área rural de Chapada dos Guimarães. Os estudantes deixam as comunidades para estudar em uma escola urbana, como única alternativa para ter acesso à educação formal, já que em nenhuma de suas comunidades tem escola. O método utilizado na coleta dos dados é o Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) que consiste em utilizar inúmeras técnicas para obtenção dos dados, de forma objetiva e breve, destacando-se a revisão de bibliografia e de documentos referentes à educação escolar quilombola, as entrevistas estruturadas e o registro de imagens. Dentre os principais problemas enfrentados pela comunidade está a relação de conflito com os fazendeiros do entorno, cujas atividades agrícolas calcadas em insumos e agrotóxicos impacta sobremaneira os cultivares tradicionais e a vida cotidiana dos quilombos.  O próprio poder público não demonstra interesse em equacionar os conflitos e tem agido de forma parcimoniosa e ineficaz em relação aquelas comunidades. Quanto aos estudantes dos quilombos, a maior dificuldade em estudar em uma escola distante da comunidade é o transporte escolar, que atende também várias outras comunidades tornando o trajeto longo e cansativo. Os estudantes precisam acordar muito cedo e gastam uma preciosa parcela do dia no trajeto de ida e volta à escola, o que resulta em cansaço, fome, sono e, consequentemente, um baixo rendimento escolar. A esses fatores soma-se o fato de não poderem participar das atividades escolares no contra turno, das aulas de reforço, das atividades de lazer, das aulas de campo e da sala de recursos audiovisuais, uma vez que o ônibus escolar está programado para retornar no final do turno matutino. A escola em que está sendo realizada a pesquisa (campo empírico) é a Escola Estadual Ana Tereza Albernaz, localizada no bairro São Sebastião em Chapada dos Guimarães. A instituição atende a um público bem variado de estudantes e necessita de reformas estruturais e funcionais urgentes. A disciplina de Geografia permite que a realidade desses estudantes seja discutida e aplicada no seu cotidiano escolar, ao substituir a postura tradicional de uma prática pedagógica baseada na centralidade do professor por um diálogo qualificado entre todos os atores escolares. A participação dos estudantes é essencial, uma vez que possibilita uma leitura crítica da realidade e da relação de dependência a que estão expostos. É possível evidenciar o seu lugar socioeconômico e cultural de pertencimento àquela região, a uma nação e um Planeta em constantes transformações. É possível agir também na construção e reconstrução do espaço geográfico a partir de uma percepção mais crítica dos processos e relações vividos pelas sociedades contemporâneas.

 

Palavras-Chave: Educação Quilombola, Estudantes, Escolas Urbanas

 


Palavras-chave


Educação Quilombola; Estudantes; Escolas Urbanas