Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E POTENCIAL ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE EMULSÕES COSMÉTICAS CONTENDO ÓLEO DE MUNGUBA
ALÉXIA LORENZI RAISER, Elton Brito Ribeiro, Dênia Mendes de Sousa Valladão

Última alteração: 09-10-19

Resumo


A munguba (Pachira aquatica Aublet) trata-se de um fruto rico em óleo tendo predomínio do ácido palmítico e oleico. Esses compostos conferem propriedades importantes para aplicação do óleo como produto intermediário ou final para as áreas alimentícia, farmacêutica, cosmética e de biocombustível. O objetivo foi desenvolver e avaliar a estabilidade e a potencial atividade antioxidante de emulsões contendo o óleo de munguba em diferentes concentrações. O óleo extraído pelo método de extração-assistida por ultrassom foi avaliado quanto a sua qualidade e disponibilizado pelo Laboratório de Controle de Qualidade da Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop. As emulsões foram preparadas através da formulação: Cera aniônica Lanette, propilenoglicol (Sintética®), Nipagin (Sintética®), Nipazol (Sintética®), EDTA dissódico, Butilhidroxitolueno (BHT) ou óleo de munguba a 3 e 5% e água destilada. Inicialmente, foi realizada a análise macroscópica para verificar as características organolépticas e a homogeneidade das formulações. Após, foram realizados os ensaios de estabilidade preliminar e acelerada e a potencial atividade antioxidante pelo método DPPH (captura do radical 2,2 difenil-1-picril hidrazil por antioxidantes), com leitura no comprimento de onda de 515 nm. O óleo disponibilizado apresentou qualidade e características favoráveis a sua aplicação. As emulsões contendo 3 % do óleo de munguba mostraram potencial atividade antioxidante e manutenção da estabilidade durante os 90 dias de estudo quando expostas a temperatura de 25 e 5 °C frente aos parâmetros avaliados. O aumento da quantidade de óleo afetou a estabilidade das emulsões, porém a potencial atividade antioxidante se manteve quando comparadas as emulsões contendo 3 e 5 % de óleo. A emulsão de 3% de óleo demonstrou potencial atividade antioxidante superior as emulsões contendo BHT 0,005% e similar as emulsões contendo BHT 0,05%. Ainda, os resultados mostraram que as emulsões não podem ser expostas a altas temperaturas e a radiação luminosa, pois essas condições desencadeiam o processo de cremeação. O óleo de munguba apresentou características favoráveis para o desenvolvimento de produtos sustentáveis que reduzam o processo de envelhecimento cutâneo, além de gerar o aproveitamento dos recursos naturais amazônicos e possibilitar o desenvolvimento de emulsões que poderão ser utilizadas como fins cosméticos e/ou farmacêuticos.

Palavras-chave


Atividade antioxidante; Emulsão; Munguba.