Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
O florescimento da religiosidade tardo antiga romana
EDUARDO SILVA LEITE

Última alteração: 07-10-19

Resumo


A antiguidade tardia, configura-se como um período de profundas transformações estruturais na sociedade romana. Para Siqueira “O termo indica a crise da sociedade clássica que se estruturou em um estado imperial cujas bases, em grande parte, foram estabelecidas sobre a tradição, o privilégio, e a insuficiência das instituições antigas”. Renan Frighetto diz tratar-se de uma complexa definição, quando se preocupa com a delimitação temporal problematiza-se onde começa e onde termina a antiguidade tardia. Então, prefere trabalhar com o arco temporal que começa no século II e termina no século VIII. Dentre os diversos elementos pelos quais podemos identificar essas transformações a fim de compreendermos tal período, um terá tratamento especial aqui: as “mudanças a nível mental e da religiosidade, pois é neste novo ambiente mental e religioso, originado no III século, que o cristianismo, na centúria seguinte, tornar-se-á hegemônico na sociedade tardo romana”. A crise do século III permitirá uma reconfiguração mental e religiosa à medida que a “Pax romana” tornara-se insustentável. As estruturas antigas, incluindo a religião clássica e todo suporte explicativo e definidor social, com a “crise”, não foram mais capazes de fornecerem as respostas ao homem das últimas décadas do século III. Assim, nosso trabalho aponta para um florescimento da mentalidade religiosa do IV século a partir das transformações oriundas do século III, num lento processo de reconfiguração social. Esse novo sentimento religioso oriundo das agitações do século III e que caracterizam a antiguidade tardia, não deve ser compreendido como resultado de elementos introduzidos anteriormente e que, após acúmulo transbordam e cobrem o imaginário do homem romano tardo antigo. A maneira de analisar essas mudanças no espaço mediterrâneo é dentro de um processo de reordenamento ou uma nova organização de elementos presentes há séculos. A importância crescente que adquirem os problemas religiosos nesse tempo, destaca-se como vitrine para localizarmos o imaginário mental do homem tardo antigo romano. As pessoas da sociedade romana na Antiguidade Tardia estavam imersas em um mundo onde as questões da vida se explicavam espiritualmente, onde o mundo dos espíritos ou do sobrenatural não estavam distantes deles, e mais, era possível manter contato com esse mundo, era possível ser atingido por seres invisíveis. Todas essas características da religiosidade romana no IV século são produtos de lentos processos de transformações culturais ocorridos, sobretudo no III século.


Palavras-chave


Antiguidade Tardia; Crise do século III; religiosidade tardo antiga