Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Feminismo, cabelo diaspórico e dupla consciência em Americanah, de Chimamanda Adichie
Laide Daiane Costa Campos

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Americanah é o romance mais recente da autora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, tendo como protagonistas a estudante Ifemelu e seu namorado da adolescência Obinze. Após o caos instaurado na Nigéria devido à ditadura militar nos anos 90, Obinze e Ifemelu, no intuito de continuar seus estudos, se distanciam e vivem experiências diaspóricas: ele tenta a vida na Inglaterra, mas, depois de algumas situações difíceis, retorna à sua terra natal e ela muda-se para os Estados Unidos e por lá fica durante 15 anos. Nesse espaço, enquanto se destaca no meio acadêmico e na internet, como criadora de um blog no qual ela relata as diferentes situações as quais está vivendo naquele país, Ifemelu tem que enfrentar as agruras da vida de imigrante e, sobretudo, de mulher negra, vivendo experiências que a fazem refletir sobre a cor da sua pele, o seu cabelo e o fato de ser mulher num país estrangeiro. Consideramos que este romance de Adichie é uma obra literária pós-colonial, que traz uma posição contrária ao colonialismo, uma vez que apresenta discursos que se opõem criticamente à prática da colonização dos sujeitos ficcionais, em que muito da superioridade imposta pela dominação histórica e econômica nos tempos coloniais ainda influencia as relações humanas nos ambientes apresentados na obra e os transforma inevitavelmente. Sendo assim, partindo das questões pós-coloniais e decoloniais,interessa-nos pesquisar, primeiramente, os discursos de resistência escritos por Ifemelu em seu blog, que se apresentam em forma de relatos e observações, no intuito de refletirmos, a partir das experiências com o cabelo de algumas personagens, em especial, de Ifemelu, sobre as questões relacionadas à resistência feminista, empoderamento, submissão à cultura do país imigrante para serem aceitas e identidade feminina. Trataremos também das questões relacionadas ao processo de double-conscioness (dupla consciência) da personagem Ifemelu em seus deslocamentos e faremos uma análise de como o corpo dela respondeu a essas mudanças. Para o desenvolvimento desse estudo, revisitaremos alguns autores que teorizam sobre os conceitos de feminismo negro, diáspora dos povos africanos, identidade racial, desterritorialização, reterritorialização e double-conscioness. A hipótese levantada é que os discursos da protagonista, que se entrelaçam com o restante da narrativa, abrem a construção do romance para reflexões políticas, sociais e culturais mais diretas, alargando os significados dos eventos do enredo.


Palavras-chave


Americanah, Diáspora, Feminismo.