Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeito da adubação em Ochroma pyramidale sobre o estoque de carbono no solo.
Sandro Marcelo Caravina, Cornélio Alberto Zolin, Maurel Behling, Ciro Augusto de Souza Magalhães, Julio Cesar Santin, Eduardo da Silva Matos

Última alteração: 09-10-19

Resumo


Os plantios florestais apresentam-se como estratégia para sequestro de carbono no âmbito dos mecanismos de desenvolvimento econômico limpo. O objetivo deste trabalho é avaliar se a adubação do pau de balsa aumenta os estoques de carbono no solo, aos três e sete anos de plantio. Foram avaliados os níveis de adubação zero, uma e duas vezes a dose referência usada nos plantios comerciais, em delineamento de blocos casualizados com três repetições para a camada de 0-0,30 m. Adicionalmente para fins de comparação quanto ao estoque de carbono no solo foi considerado o pasto bem manejado que existia antes do início do experimento (Tempo Zero), área com pastagem degradada e mata nativa; além de estimar o estoque de carbono total do sistema solo-biomassa. Como resultado, temos que o reflorestamento com pau de balsa independente do manejo nutricional aumenta o estoque de carbono no solo e o estoque de carbono solo-biomassa, com aumento da adubação o armazenamento de carbono é superior ao sistema de pastagem bem manejada ou degradada. O plantio de pau de balsa pode ser uma alternativa de intensificação sustentável no uso e conservação do solo antecipando o retorno do estoque de carbono no solo à condição natural da mata nativa no ecótono Cerrado/Amazônia.

Palavras-chave


Conservação do solo; intensificação sustentável; pau de balsa; sequestro de carbono; ecótono Cerrado/Amazônia