Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
IDENTIDADES NEGRA E QUILOMBOLA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA ESCOLA ESTADUAL QUILOMBOLA MARIA DE ARRUDA MULLER – COMUNIDADE ABOLIÇÃO/MT
Michele Correa de França, Suely Dulce de Castilho

Última alteração: 26-09-19

Resumo


Esta pesquisa, em andamento, aborda as identidades negra e quilombola no contexto da Educação Infantil da Escola Estadual Quilombola Maria de Arruda Muller – Comunidade Abolição/MT. O estudo, sob a orientação da professora doutora Suely Dulce de Castilho, é um recorte do projeto Saberes, fazeres e dizeres de docentes atuantes em escolas estaduais quilombolas do Estado de Mato Grosso, financiado pela FAPEMAT.  Objetiva compreender as abordagens identitárias negra e quilombola e qual a percepção da criança de 4 e 5 anos, em relação a tais identidades. Apresenta os dados coletados no ano letivo de 2018, na escola de Abolição/MT, que oferta, além da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio, a modalidade Educação de Jovens e Adultos e implementa a Educação Escolar Quilombola. A revisão sistemática, do quadriênio 2014-2017, apontou lacunas referentes a estudos desenvolvidos na perspectiva da faixa etária de 4 e 5 anos, quanto a identidades negra e quilombola que considerassem a educação formal nas instituições de ensino quilombolas ou que atendessem crianças e estudantes provenientes de comunidades quilombolas. Metodologicamente é um estudo qualitativo, que utilizou o método etnográfico (GEERTZ, 2008) e o método da pesquisa-ação (THIOLLENT, 1986). Os instrumentos de coleta de dados foram a observação participante, entrevistas semiestruturadas e análise documental. Quarenta e seis foram os sujeitos que compuseram este estudo, sendo moradores antigos e líder da religião de matriz africana, no contexto da comunidade quilombola e, diretores, professores antigos e atual, coordenadora pedagógica, professora da Educação Infantil, pais ou responsáveis pelas crianças e as crianças, no contexto da comunidade escolar. Para o sujeito criança, os instrumentos de coleta de dados incluíram imagens e brinquedos estruturados. A discussão teórica abrange conceitos de quilombo, a construção das ideias racistas, memória, ancestralidade, identidade negra e quilombola,  Diretrizes e Orientações Curriculares para a Educação Infantil e para a Educação Escolar Quilombola a partir de autores como Castilho (2011 e 2016), Gomes (2018), Hall (2006), Moura (2001), Munanga (2009 e 2012), Oliveira (2012), dentre outros. Resultados preliminares apontaram que a construção da identidade negra e quilombola da criança de 4 e 5 anos estava fragilizada em decorrência da ausência de referência positiva nos diversos espaços educativos nos quais a criança está inserida, inclusive a escola. No espaço escolar, as principais causas da ausência de referência positiva, podem ser a carência de material didático específico e a carência de formação inicial e continuada para capacitar o docente a trabalhar com as especificidades do currículo da educação escolar quilombola.


Palavras-chave


Educação Infantil. Educação Quilombola. Identidades negra e quilombola.