Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
DESAFIOS E EXPECTATIVAS JUNTO AOS MANOKI: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
goncalina jesus santos

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Título: Desafios e expectativas junto aos Manoki: um relato de experiência

Resumo: Este trabalho objetiva apresentar um relato de experiência sobre a nossa convivência com a comunidade Manoki/Irantxe, situada na aldeia indígena Caititu, na Terra Indígena de Tirecatinga, localizada a 50 km do município de Sapezal, no estado de Mato Grosso. Buscamos trazer um relato real e concreto sobre os eventos observados por nós em nossa primeira estadia, que aconteceu no período de 9 a 13 de abril de 2019, nos quais participamos do III Seminário de Estudos Linguísticos: fonética, fonologia e produção de material didático, promovido pelo Grupo de Pesquisa: Estudos, Descrição e Documentação de Línguas Indígenas (GEDDELI) nas comunidades de Caititu (Manoki/Irantxe) e, também, em Três Jacus (Wakalitesu/Nambikwara). Inicialmente, ficamos surpresos com o fato de que há a presença de educação formal na aldeia, através de uma escola indígena construída pela Prefeitura do município de Sapezal, denominada “Escola Indígena Lino AraxiIrantxe”. Outro evento interessante observado por nós diz respeito à noção de espaçamento temporal presente na aldeia, tendo em vista que os poucos dias que permanecemos nas comunidades foram o suficiente para perder a noção de tempo, de data no calendário, pois a sensação é de que estávamos lá havia muito tempo. Ademais, no cotidiano, tivemos a oportunidade de observar que as crianças aproveitam o tempo brincando, jogando bola, correndo de um lado pro outro; já os adultos confeccionavam artesanatos como colares, brincos e pulseiras enquanto conversavam e contavam causos típicos, relacionados aos saberes da comunidade. Quando conversamos com as pessoas da aldeia, observamos em seus diálogos a nostalgia com que se lembravam com muito carinho de seus pais e avós, demonstrando muito respeito pelo saberes dos seus antepassados. Ao longo de nossa pesquisa, conversamos comindígenas de diferentes idades, ficou evidente o desejo da comunidade em retomar a sua língua étnica, e em inserir a língua Manoki/Irantxena tanto na escola quanto em outras atividades da comunidade. Segundo o relato de pesquisadores, docentes e liderança, há na aldeia uma luta em prol da rememoração do idioma, das histórias e dos conhecimentos tradicionais com intuito de fortalecer a cultura indígena. Assim, visando contribuir com os objetivos desses pesquisadores, nós, enquanto mestrandas do Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem (PPGEL/UFMT), e participantes do GEDDELI, buscamos uma parceria com a comunidade no sentido de oferecer assistência linguística, teórica e metodológica para as ações de fortalecimento da língua étnica. Dessa maneira, os pesquisadores da comunidade escolar indígena aceitaram a parceria, na esperança de que nossos estudos possam incentivar tanto a parte docente, quanto a pessoas da comunidade geral a voltarem a estudar e compreenderem o funcionamento da língua étnica. Tudo isso com o intuito de contribuir para o fortalecimento e inserção dessa língua na escola, mantendo assim a vitalidade das línguas na comunidade. Assim, neste trabalho, trataremos de contextualizar sobre os desafios e expectativas encontrados na aldeia Caitutu, como também sobre como foi à aceitação do nosso projeto de pesquisa.

 

Palavras-chave: Pesquisa de Campo, Relato de Experiência, Aldeia Caititu.