Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
REPRESENTAÇÕES SURDAS NA DESCONSTRUÇÃO DE PRÁTICAS OUVINTISTAS: UM ESTUDO CRÍTICO E EMANCIPATÓRIO
Tulio Adriano Alves Gontijo

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Resumo: A lei 10.436/2002 reconhece a Libras - Língua Brasileira de Sinais - como língua oficial da comunidade surda. É a partir desse marco legal que a comunidade surda intensifica sua luta pelo reconhecimento cultural, respeito a suas identidades e ao uso e difusão efetivos da Libras. Essa luta se dá principalmente através de eventos nacionais e internacionais de cunho acadêmico e político, com o propósito não somente de valorização da cultura surda, mas também na tentativa de desvelar os preceitos construídos pelos ouvintes ao longo dos tempos, fazendo com que os Surdos fossem considerados incapazes e deixados à margem da sociedade. Esta pesquisa objetiva analisar as representações presentes nos enunciados dos Surdos nesses eventos, na busca pela auto emancipação da influência ouvintista. Para tal, a proposta é de realizar uma pesquisa de cunho emancipatório, seguindo 4 etapas: (a) realizar uma análise de conjuntura através de anotações realizadas num diário de campo onde o pesquisador irá compreender como acontece o empoderamento dos Surdos na instituição para construção dos temas norteadores; (b) realizar reuniões filmadas de grupos focais com discussões sobre os temas ouvintismo, preconceito linguístico, colonialismo entre outros; (c) tradução/transcrição dos enunciados e (d) análise da materialidade linguística, pautada nos subsídios teóricos oferecidos pelo Realismo Crítico de Bhaskar (1989),  pela Linguística-Sistêmico Funcional de Halliday (1994),  e, posteriormente, pela Análise Crítica do Discurso de Fairclough (2003). Espera-se, com esta pesquisa, contribuir para mudanças nas práticas sociais acerca da “desouvintização” dos Surdos através de mecanismos de emancipação humana.


Palavras-chave


Surdo, Libras, Ouvintismo.