Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
PAPEL DO DESEMPENHO MIOCÁRDICO NA DISFUNÇÃO SISTÓLICA ASSOCIADA À DOENÇA DO FÍGADO GORDUROSO NÃO ALCOÓLICA
Cristina Schmitt Gregolin, Milena do Nascimento, Sérgio Luiz Borges de Souza, Gustavo Augusto Ferreira Mota, Dijon Henrique Salomé de Campos, Renata Azevedo Melo Luvizotto, Silméia Garcia Zanati Bazan, Antonio Carlos Cicogna, André Ferreira do Nascimento

Última alteração: 09-10-19

Resumo


Recentemente, nosso grupo demonstrou que a esteatose isolada, a esteato-hepatite e a cirrose hepática foram associadas com declínio de indicadores da função sistólica do ventrículo esquerdo. Os fatores responsáveis por essa relação não foram investigados. O objetivo do estudo foi avaliar se o declínio no desempenho mecânico do músculo cardíaco é um fator responsável pela disfunção ventricular sistólica associada aos diferentes estágios da doença do fígado gorduroso não alcoólica (DFGNA). Em adição, o estudo analisou se a alteração do conteúdo das proteínas do ciclo do cálcio e das citocinas fator de necrose tumoral (TNF)-α e interleucina (IL)-6 poderia estar envolvido nesse processo. Foram utilizados 64 ratos Wistar, com 70 dias. Os animais foram divididos em quatro grupos: controle (C), sacarose (A), controle e tioacetamida (C+TAA), e sacarose e tioacetamida (A+TAA). Os grupos C e C+TAA receberam ração padrão para roedores e água natural, enquanto os grupos A e A+TAA receberam ração padrão e água com sacarose (300 g/L). Os grupos C+TAA e A+TAA receberam administração de tioacetamida (100mg/kg TAA, 2x/semana/ip), enquanto os animais dos grupos C e A receberam solução salina. O período experimental foi de oito semanas. Após esse período, os animais C não apresentaram qualquer alteração histológica do fígado, os animais do grupo A desenvolveram esteatose e os grupos C+TAA e A+TAA apresentaram, respectivamente, inflamação/fibrose/cirrose e esteatose/inflamação/fibrose. A função miocárdica foi avaliada in vitro por meio da técnica de músculo papilar isolado. As proteínas envolvidas no ciclo do cálcio miocárdico foram determinadas pela técnica de Western Blot; as citocinas IL-6 e TNF-α por ELISA. A comparação entre os grupos foi realizada por ANOVA Two Way, complementada com Tukey. Os estágios hepáticos de esteatose isolada e inflação/fibrose/cirrose foram associados com redução na força de contração (menor tensão desenvolvida (TD). O grupo com esteatose/inflamação/fibrose não apresentou diferença nos valores de TD quando comparado aos outros estágios da doença hepática. Todos os grupos apresentaram uma menor resposta ao estímulo de pós-pausa e não apresentaram diferença aos outros desafios. Não foi possível encontrar diferenças entre os grupos na expressão das proteínas rianodina, canal L, fosfolambam fosforilada na serina 16, SERCA e trocador sódio/cálcio. Os grupos com presença de esteatose, associada ou não à inflamação/fibrose, apresentaram aumento na expressão relativa da proteína fosfolambam fosforilada na treonina 17. Não verificamos diferença no tecido cardíaco entre os grupos para a citocina TNF-α. No entanto, o conteúdo cardíaco de IL-6 foi elevado nos animais com cirrose hepática. Em conclusão, demonstramos que o declínio no desempenho mecânico miocárdico é o fator responsável pela piora nos indicadores de função ventricular sistólica associada aos estágios da DFGNA, alteração associada à reduzida capacidade de reestabelecimento do gradiente de concentração do cálcio miocárdico. Não demostramos que a piora no desempenho contrátil do miocárdio foi decorrente de um declínio no conteúdo das proteínas do ciclo do cálcio em associação à presença de citocinas IL-6 e TNF-α no coração, mas parece depender de uma alteração metabólica do coração, nos casos associados com esteatose hepática, e inflamatória, quando o estado de cirrose está presente.

Palavras-chave


Doença do Fígado Gorduroso não Alcoólica; Esteatose Hepática; Função Cardíaca.