Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Um estudo analítico sobre a representação do negro e do índio na poesia de Lobivar Matos sob a perspectiva dos estudos pós-coloniais
ANGELICA DE OLIVEIRA IVO AMARAL

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Acreditamos que no tempo atual, em que se percebe um intrépido desejo de ressignificar o imaginário negativo disseminado, ao longo de séculos, em relação aos afrodescendentes e aos indígenas, é extremamente pertinente pensar como ocorre a representação de indivíduos pertencentes a esses dois grupos sociais em obras da literatura produzida no Estado de Mato Grosso, levando em consideração o modo de formação histórico-cultural do nosso estado.  No intuito de contribuir com aumento de pesquisas que protagonizam a representatividade de sujeitos subalternizados na literatura, nosso objetivo é compreender como configura-se a representação da imagem do negro e do índio na poesia de Lobivar Matos, poeta sul-mato-grossense, que teve um papel fundamental nas produções literárias que trouxeram maior visibilidade a estes sujeitos, no contexto dos primeiros anos do século XX, no Estado.  Sendo assim, nosso interesse analítico volta-se para suas duas principais produções poéticas: Areôtorare (1935) e Sarobá (1936). Na primeira, dentre outros elementos, a figura do índio é trazido como matéria de sua poesia, enquanto que na segunda obra é o negro, em um espaço devastado e desigual, que serve como leitmotiv de seus versos.   Nosso estudo estará respaldado por alguns dos principais teóricos e críticos da poesia e dos estudos pós-coloniais, como: Octavio Paz (1965), Edward Said (1999) e Thomas Bonnici (2009). Nesta pesquisa levamos em consideração a premissa, afinal, de que é fato ainda hoje nos sentirmos incomodados por elementos oriundos de heranças racistas que surgiram, provavelmente, num período conhecido historicamente como as “grandes navegações”, sobretudo com a concretização dessa empreita por meio da ocupação colonial.  Este acontecimento foi a porta de entrada para outro grande evento que marcou de modo traumático muitas gerações, a escravidão de índios e de negros africanos.  A memória de tal evento, ainda hoje, nos assombra, nos inquieta e nos instiga a compreender marcas e consequências das forças coloniais ainda ativas em nossa sociedade, mesmo que “sob outras formas”, como o ato de exploração, opressão e racismo de grupos que se percebem como superiores a outros.

 


Palavras-chave


Índio; Negro; Lobivar Matos.