Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Efeito de retardantes de fogo sobre a emergência de Handroanthus ochraceus e Tabebuia roseoalba
Elen Silma Oliveira Cruz Ximenes, Andrea Carvalho da Silva, Wesley Filipe Dutra Ximenes Aragão, Kalisto Natam Carneiro, Felipe Gomes Costa, Rafael José Carvalho dos Santos

Última alteração: 02-10-19

Resumo


O uso de produtos retardantes de fogo melhoram a eficiência da água no combate a incêndios. No entanto, seus efeitos sobre o ambiente são pouco esclarecidos. As espécies florestais Handroanthus ochraceus e Tabebuia roseoalba desempenham importante papel na recuperação de áreas degradadas, além de serem muito utilizadas na arborização urbana. A dispersão das sementes dessas árvores acontece no período seco, exatamente na época de maior ocorrência de incêndios nas regiões sul e leste da Amazônia Legal. Pesquisas sobre o efeito de retardantes de fogo sobre o banco de sementes podem auxiliar na definição de concentrações efetivas e seguras para os ecossistemas. Outra opção sustentável, é o uso de produtos já consolidados no setor agroflorestal como potenciais retardantes de fogo. A capacidade de reter umidade, atrelada aos efeitos positivos sobre a germinação e crescimento vegetal tornam os polímeros hidroretentores utilizados como condicionadores de solo, uma opção promissora como potenciadores de água para combater incêndios. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de produtos retardantes de fogo e de um polímero hidroretentor sobre a emergência de Handroanthus ochraceus e Tabebuia roseoalba. O experimento foi instalado no dia 05/03/2019 e conduzido na casa de vegetação do setor de Produção Vegetal da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Sinop. As sementes de Handroanthus ochraceus e Tabebuia roseoalba foram colocadas para germinar a 1,0 cm de profundidade em tubetes plásticos de 290 e 820 cm³ contendo substrato orgânico mineral. Os tratamentos foram aplicados no substrato no dia da semeadura e 15 dias após, e consistiram nos seguintes produtos retardantes de fogo e suas respectivas concentrações: Phos-Check (0; 0,30; 0,60; 0,80; 1,00 ml L-1) Hold Fire (0; 0,70; 0,90; 1,20; 1,50 ml L-1) , e o polímero hidroretentor Nutrigel (0, 0,25; 0,50; 0,75; 1,00 g L-1). A emergência das plântulas foi contada diariamente até o 21º dia após a semeadura. As avaliações foram feitas com base no índice de velocidade de emergência (IVE), tempo médio de emergência (TME) e porcentagem de emergência (E%). O delineamento foi inteiramente casualizado com 10 repetições para cada tratamento. Cada produto foi analisado separadamente. Realizou-se análises de variância, e quando significativas (p<0,05) foram ajustadas regressões polinomiais de primeiro ou segundo grau. Não houve diferenças entre as concentrações de nenhum produto testado para as variáveis relacionadas à emergência. Conclui-se que as concentrações testadas dos retardantes Phos-Check e Hold Fire, e do polímero hidroretentor Nutrigel não influenciam na emergência de plântulas das espécies Handroanthus ochraceus e Tabebuia roseoalba.


Palavras-chave


sementes, polímero hidroretentor, ipês