Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Ancestralidade e Fé na Pintura de João Sebastião da Costa
Valéria Pereira Moreira, José Serafim Bertoloto

Última alteração: 17-10-19

Resumo


No projeto de doutorado pretendemos investigar as relações sobre a fé, a ancestralidade e a devoção na América Latina, com ênfase nas relações, que permeiam a produção do artista plástico, cuiabano, João Sebastião da Costa. Analisaremos, especificamente as interconexões entre Brasil e a América Latina, tendo como parâmetros a devoção à Nossa Senhora de Guadalupe, cultuada em Mato Grosso e no México. Verificaremos a presença das mestiçagens, hibridações, com a cultura dos santos festeiros, para estabelecer as ligações com a fé e a presença marcante da colonização ibero americana na América Latina. Uma característica peculiar de Cuiabá é o tempo cíclico, que marca as temporadas das floradas do cerrado, o período da pesca, das festas dos santos e outros devires singulares da cidade, que celebram a ancestralidade. As festas acolhem os devotos, as famílias, comunidades em geral, que participam dos rituais ecumênicos, pagam promessas, fazem procissões, organizam atividades artísticas, gastronômicas, sociais, que perpetuam os vínculos religiosos, bem como, unem as famílias, mantendo uma tradição de geração a geração, segundo o pensador Maturana. As festas de santos mais populares de Cuiabá, que serão pesquisadas serão as de São Benedito, São João, São Pedro, Senhor Divino, São Sebastião, que fazem alusão ao nome do João Sebastião, nascido no dia 23 de junho de 1949, véspera de São João. O nome do artista foi escolhido por sua genitora, que vivia a angústia do pós-parto difícil, que comprometeu a vida do seu primogênito. São Sebastião é o santo defensor da igreja e protetor contra as doenças e pestes. Os estudos sobre o decolonial abriram caminhos para investigarmos a pintura de João Sebastião pelo prisma do período colonial brasileiro: o Barroco, a igreja, os povos originais. Os invasores no Brasil provocaram a destruição dos povos originais, quando aconteceram intensos fluxos de informações, que refletiram na produção de objetos e práticas culturais. Assim, ao observar algumas pinturas de João Sebastião, é possível fazer o percurso decolonial, uma vez que os traços das fisionomias de algumas figuras sagradas da igreja são apresentadas em formas indígenas, a atmosfera celestial é formada por elementos sagrados judaico-cristãos cuiabanos. A fauna, flora cuiabana, festas de santos, bandeirolas, o Divino Espírito Santo, todos os elementos culturais pululam na tela, tais quais, no Barroco.

Palavras-chave


Artista Plástico Cuiabano João Sebastião da Costa, América Latina, Decolonial.