Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
IMPACTO DA RADIOFREQUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA E FUNÇÃO SEXUAL DE MULHERES COM INCONTINÊNCIA URINÁRIA
ALINE FRANCIA BARROSO

Última alteração: 09-10-19

Resumo


A gestação e parto são fatores de risco para as disfunções do assoalho pélvico (DAP), tais como a incontinência urinária (IU), impactando na vida de muitas mulheres que desejam a maternidade sem influência negativa na qualidade de vida. O estudo tem por objetivo avaliar a eficácia da radiofrequência (RF) no tratamento das IU que se mantêm por mais de 6 meses após o parto, por meio do Questionário de Qualidade de Vida IQOL – Incontinence Specific Quality of Life Instrument – e do IFSF – Índice da Função Sexual Feminina, versão validada em português do FSFI – Female Sexual Function Index, comparando escores dos questionários antes e após o tratamento com RF aplicada com manopla interna, comparando também com o grupo tratado com RF usando manopla externa, ambos os grupos associados com cinesioterapia pélvica. Trata-se de um ensaio clínico, randomizado, em mulheres com queixas clínicas de IU, incluindo mulheres de diferentes etnias, no menacme, alfabetizadas, com história obstétrica de pelo menos um parto e, no mínimo, 6 meses do último parto. O aparelho de RF utilizado será na forma de transferência elétrica capacitiva, configuração monopolar, modelo Energy da marca DGM. O protocolo de tratamento do grupo estudo terá um total de quatro sessões, uma vez por semana, utilizando manopla interna com movimentos no sentido semi-círculos associados à cinesioterapia pélvica. O grupo controle receberá tratamento semelhante, diferindo apenas na manopla de utilização que será posicionada externamente à vagina.