Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Caracterização epidemiológica da ocorrência de leishmaniose tegumentar americana no estado brasileiro de Mato Grosso (2007-2017)
Amanda Gabriela Carvalho, João Gabriel Guimarães Luz, Eliane Ignotti

Última alteração: 09-10-19

Resumo


A leishmaniose tegumentar americana (LTA) é uma importante doença tropical negligenciada, principalmente devido sua capacidade de produzir deformidades. Globalmente, são registrados cerca de 0,7 a 1,3 milhões de novos casos por ano, em aproximadamente 85 países. No Brasil, o estado de Mato Grosso ganha destaque pelo elevado número de notificações. Apesar de tamanha relevância em saúde pública, a ocorrência da LTA nessa área ainda é pouco avaliada. Assim, o presente trabalho objetivou descrever o perfil epidemiológico da LTA em Mato Grosso entre 2007 e 2017. Os dados foram coletados do banco do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Foram incluídos todos os casos autóctones e recidivas de LTA registrados no estado entre 2007 e 2017. No período avaliado, foram notificados 29.043 casos de LTA em Mato Grosso, sendo 27.637 (95,16%) casos novos e 1.406 (4,84%) recidivas, com maior incidência em 2007 (99,83 /100000 hab.) e 2009 (136,92/100000 hab.). A maioria das suspeitas clínicas foi confirmada por critérios laboratoriais (89,15%). A LTA prevaleceu entre indivíduos do sexo masculino (81,21%), pardos (45,05%), residentes da zona urbana (54,51%), com ensino fundamental incompleto (23,99%) e idade média (desvio-padrão) de 37,06 (18,71) anos. A coinfecção pelo vírus HIV foi relata para 0,67% dos pacientes, embora essa informação fora ignorada em 41,72% das notificações. Em relação às formas clínicas, 93,08% dos indivíduos apresentaram a forma cutânea e 6,92% a forma mucosa. Considerando o tratamento, o antimonial pentavalente foi a droga de escolha para a maioria absoluta dos pacientes (96,26%). A falência na terapêutica inicial foi reportada em 10,02% dos casos. A evolução favorável para cura foi o desfecho mais observado (95,31%), seguido de abandono (1,96%). Os dados obtidos podem ser úteis para nortear estratégias públicas direcionadas para identificação, manejo, controle e vigilância da LTA no estado de Mato Grosso.