Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
As Potências Poéticas e Políticas do Teatro do Oprimido nos Caminhos de Ser Mais
Katiuska Tereza Azambuja Salgado

Última alteração: 14-10-19

Resumo


A colonialidade do poder, do ser, e de gênero, estabeleceu no imaginário e no cotidiano que existe uma hierarquização sociocultural e sexual, na qual, os homens brancos europeus são superiores a todos os demais e superior às mulheres. Hegemonicamente, a socialização masculina se dá para a dominação, e a feminina para a submissão, resultando em iníquas e opressivas relações sociais. Deste modo, a presente pesquisa se propõe a investigar as potências poéticas e políticas do Teatro do Oprimido, enquanto processo decolonial para emergir as opressões emergentes na sociedade brasileira contemporânea.  A metodologia utilizada nesta pesquisa será a Cartografia, pois trabalha com acompanhamento de processos. Para alcançar o objetivo proposto, será constituído um Grupo, com doze jovens, estudantes de Escola Pública. No processo, serão utilizados jogos e exercícios para a formação de atores, articulados a discussões das teorias da sociedade do espetáculo, decolonialidade, papeis sociais masculinos e femininos, direitos humanos, protagonismo feminino, e demais temas propostos pelos/pelas estudantes, resultando em cenas audiovisuais e uma peça híbrida de teatro-fórum. Ao final do processo, serão realizadas entrevistas semiestruturadas com doze participantes, para uma reflexão mais aprofundada sobre como foi o processo para cada um/a deles/delas. Espera-se como resultado, que esse processo auxilie o Grupo a perceber as situações de opressão, em especial nas relações de gênero iníquas, possibilitando seu posterior rompimento, contribuindo assim, para a construção de uma sociedade mais equitativa, onde os direitos humanos possam ser efetivados em sua plenitude.


Palavras-chave


Teatro do oprimido. Audiovisual. Relações de gênero. Decolonialidade.