Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
COMPOSIÇÃO E SIMILARIDADE FLORÍSTICA DE PLANTAS HERBÁCEAS EM SUB-BOSQUE DE Eucalyptus urograndis (CLONE H13) PÓS-QUEIMA
Ana Paula Slovinski de Oliveira Camargo, Adilson Pacheco de Souza

Última alteração: 09-10-19

Resumo


Resumo: A queima prescrita sobre a serrapilheira florestal pode favorecer a germinação de sementes de espécies específicas de áreas de cerrado, principalmente de plantas herbáceas, cipós e capins. Assim, o objetivo do projeto foi avaliar a composição, similaridade florística e percentagem de ocupação de material herbáceo regenerado em diferentes interfaces ambientais e períodos pós-queima em um plantio de Eucalyptus urograndis (Clone H13), na transição Cerrado-Amazônia. O experimento foi realizado em diferentes interfaces ambientais do plantio de Eucalyptus urograndis em áreas com diferentes tempos pós-queima controlada (21, 32, 36 meses) e 90 meses (controle – área sem queima). Avaliou-se o efeito das queimas e sua influência na regeneração de material herbáceo regenerado, bem como o índice de similaridade (Jaccard) das espécies entre as diferentes interfaces. A interface que apresentou maior número e frequência de espécies foi a EM, tendo em vista que a proximidade com a floresta nativa influencia na dispersão de sementes. O índice de similaridade das espécies entre as áreas submetidas a queimas prescritas foi considerado baixo. A ocupação por material herbáceo regenerado foi maior em áreas com 21 meses pós-queima; nesse caso obteve proporção de 55,4 e 44,6% de serrapilheira e herbáceo na composição do material combustível regenerado. As áreas centrais dos talhões de eucalipto propiciam menores regenerações de material herbáceo pós-queima, quando comparadas com outras bordaduras do talhão (lavoura e mata nativa).



Palavras-chave


Eucalipto; Queima Prescrita; Regeneração