Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
CONTATO LINGUÍSTICO E OS NEOLOGISMOS EM WAKALITESU / NAMBIKWARA
Jonathan de Paula Camargo

Última alteração: 07-10-19

Resumo


Motivado pela curiosidade em compreender de que maneira são constituídas palavras novas em uma língua e como estas palavras e suas funções linguísticas estão associadas às construções lexicais e semânticas pelos seus falantes, o presente trabalho aborda manifestações de neologismos em uma língua indígena. Partimos da concepção de neologismo como uma prática linguística que ocorre com a inserção ou criação de novas palavras resultantes da necessidade de denominar novas informações, instrumentos e tecnologia, por vezes não familiares à cultura e para os quais não existiam referências na língua étnica. Assim, apresentamos aqui alguns processos de neologismos na língua Wakalitesu/Nambikwara, destacando classificadores nominais mencionados em trabalhos já realizados em quatro línguas da família Nambikwara: Mamaindê, Sabanê, Latundê e Kithãulhu. Considerando, ainda, a investigação de novas palavras na língua indígena Wakalitesu/Nambikwara são apresentados, também, alguns exemplos de neologismos por meio da composição lexical realizada pelos falantes em empréstimos da Língua Portuguesa. Para os Wakalitesu/Nambikwara, algumas palavras apresentam classificadores da língua étnica e assim esses falantes estabelecem relações entre a forma, o material, e outros aspectos do objeto ou elemento em questão à nova construção lexical, como por exemplo, para se referir a balde, os Wakalitesu utilizam baudentsu, que contém o classificador –en, significando oco por dentro; para lanterna, usa-se lãternakatsu, utilizando o classificador –kat, que significa comprido; na palavra maçã, os falantes relacionam o termo masãnakisu ao formato redondo da fruta e utilizam o classificador –ki (coisa redonda); para alguns objetos achatados, utilizam o sufixo kalosu, como em cadeira e chuteira, respectivamente kadeirakalosu e xuterakalosu, entre outros. A presente pesquisa tem uma abordagem qualitativa, utilizando procedimentos metodológicos da pesquisa de campo, a partir da qual investiga a presença de neologismos na língua Wakalitesu/Nambikwara, na Comunidade Três Jacus, em Sapezal-MT. Como resultados esperados, buscamos uma contribuição relevante para a realidade sociolinguística atual da comunidade em questão no diversificado cenário de línguas faladas em Mato Grosso.

Palavras-chave


Contato Linguístico; Neologismos; Línguas Indígenas.