Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
O “TRIUNFO DOS MÁRTIRES”: O discurso emocional na crônica de Juan de Marieta, no final do século XVI
Joyce Damaris Augusta Machado

Última alteração: 07-10-19

Resumo


O trabalho a ser apresentado tem como objetivo expor parte da pesquisa de mestrado que está em andamento. Esta pesquisa busca analisar o discurso martirológico encontrado na crônica do frade da Ordem dos Frades Pregadores, Juan de Marieta, intitulada Historia Ecclesiastica, y Flores de Santos de España, escrita na última década do século XVI. O período inicial da época moderna transcorre por diversos conflitos e transformações em toda a Europa. Difunde-se o movimento renascentista, as reformas espirituais da Igreja, a consolidação dos poderes monárquicos, etc. A Espanha, de modo semelhante perpassava por mudanças. A política exercida por Felipe II toma rumos diferentes da qual foi feita por seu pai, Carlos V, soberano antecessor. Felipe II busca o fortalecimento do Estado espanhol juntamente com a consolidação das doutrinas da Igreja Católica, a qual passava por conflitos internos e externos com os movimentos reformistas, principalmente os protestantes. Ocorria, de igual modo, batalhas externas contra o poderio otomano, que avançava pelos territórios europeus, ameaçando as conquistas espanholas. Houve também, segundo a autora Esther Jiménez Pablo, a partir da segunda metade do século XVI, a multiplicação de documentos com descrições da vida religiosa de santos, e de martírios, assim como é encontrado na obra de Juan de Marieta. Através do documento que analisamos, percebemos uma característica predominante nas narrativas martirológicas: a utilização da violência como discurso emocional. O professor Dr. Jens Baumgarten é quem dialoga com a nossa proposta, a qual é uma das hipóteses desta pesquisa. Em seu artigo publicado no livro “Escritas da violência, vol.1: o testemunho”, as produções artísticas da Igreja Católica pós-tridentina interpretavam a evangelização como uma guerra contra os hereges, e a representação decorrida do mártir era de um vencedor. Segundo Baumgarten, “o excesso de violência transfigura-se na salvação da verdade através da norma e disciplina emocional.” A hipótese deste trabalho gira em torno da intencionalidade do frade dominicano em transcrever relatos martirológicos, com o intuito de reforçar o sentimento religioso e político através dos martírios, na luta contra os inimigos da Igreja Católica.

Palavras-chave


mártires; violência; Discurso emocional