Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Fogo e quebra de dormência física de sementes do Cerrado
Amanda Ribeiro Correa, Elisangela Clarete Camili, Maria de Fátima Barbosa Coelho

Última alteração: 06-10-19

Resumo


O Cerrado é constituído por diversas espécies de plantas que apresentam sementes com dormência física e grande parte delas pertence à família Fabaceae. Fatores naturais, como temperatura, umidade relativa do ar, umidade do solo e fogo são conhecidos pela quebra de dormência física das sementes em muitos ecossistemas. No Cerrado, por sua vez, o fogo pode desempenhar importante papel na quebra de dormência, devido à frequente ocorrência de queimadas no bioma. O objetivo é avaliar o papel do fogo na quebra de dormência física de sementes do Cerrado. Sementes de Samanea tubulosa, Enterolobium contortisiliquum, Bowdichia virgilioides e Cochlospermum regium serão coletadas no momento da dispersão natural dos frutos, durante o mês de agosto e setembro de 2019. As sementes serão submetidas à secagem em estufa a 150, 200, 250 e 300 °C por 1 e 3 minutos, em seguida serão testadas quanto a germinação a 25/15, 30/20 e 35/25 °C. Quatro repetições de 25 sementes intactas ou submetidas à secagem, de acordo com os tratamentos, serão colocadas sobre papel de germinação, na forma de rolos e em seguida transferidas para câmaras de germinação nas temperaturas correspondentes, sob fotoperíodo de 12 horas. O papel será umedecido com água destilada a 2,5 vezes o peso do papel seco e a umidade será reposta diariamente até o fim do teste. Após um mês de início do teste de germinação, as sementes germinadas, embebidas, dormentes e mortas serão contabilizadas. Possíveis modelos de regressão serão desenvolvidos para estimar a quebra de dormência após a passagem do fogo no habitat, em função do aumento de temperatura.

Palavras-chave


Germinação, Temperatura, Queimadas