Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A INSERÇÃO DAS CRIANÇAS IMIGRANTES NAS ESCOLAS BRASILEIRAS: SOBRE AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE CRIANÇAS HAITIANAS DE 7 À 10 ANOS
Ilgentche Appolon

Última alteração: 01-10-19

Resumo


Resumo:

Este trabalho é fruto do projeto de pesquisa elaborado para fins de obtenção do título de mestre no Programa de Pós- Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso. O mesmo considera a questão da alteridade para pensar a inserção de crianças imigrantes nas escolas brasileiras,  especialmente as crianças haitianas no contexto das escolas cuiabanas.  O referido projeto de pesquisa dialoga com o projeto guarda-chuva do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN/UFMT) e visa identificar e compreender as representações sociais sobre escolas compartilhadas,  por crianças haitianas matriculadas em escolas brasileiras de modo a anunciar aspectos sobre a sua inserção social no contexto das escolas públicas em Cuiabá- MT. O projeto se desenvolve em articulação com a Teoria das Representações Sociais (MOSCOVICI, 2010; JODELET, 2001) e sua abordagem ontogenética (CASTORINA, 2010; DUVEEN, 1994) em diálogo com a Teoria Histórico Cultural (VIGOTSKI, 2009; PRESTES, 2010; MOLON, 1999) e pressupostos da Sociologia da Infância (SARMENTO, 2007). A perspectiva psicossocial, que orienta o presente estudo, permite problematizar a questão dos processos de inserção das crianças imigrantes nas escolas brasileiras levando em consideração a dimensão alteritária que se constitui na relação eu-Outro. Neste sentido, pode-se pensar que o estranhamento nesta relação se apresenta em dupla dimensão uma vez que a criança imigrante pode ser anunciada como o estranho do professor na mesma medida que este último - professor brasileiro - o é para a criança imigrante. Ao tomar a noção da alteridade como objeto de estudo e o Outro como objeto de representação este estudo destaca as significações de crianças haitianas e seus professores para compreender aspectos simbólicos atuantes no processo de inserção de crianças imigrantes no contexto educacional brasileiro. Para tanto, destaca os seguintes pressupostos: 1. A noção de inserção escolar revela não ser a criança a única a se adaptar no novo contexto escolar uma vez a  nova vivência também impacta os processos simbólicos de seu (sua) professor(a), colega e de sua família podendo gerar impactos nas práticas pedagógicas, por exemplo. 2. O estudo sobre a inserção escolar revela a importância da análise dos significados   socialmente  negociados que operam na direção de uma atitude positiva ou negativa ao fenômeno da inserção escolar considerando que tais processos se encontram ancorados em um complexo sistema econômico, político e social em constante transformação – Matriz sócio-histórica (ROSSETTI FERREIRA, AMORIM, VITTÓRIA, 1996). A metodologia a ser adotada orienta-se pela noção de pesquisa do tipo etnográfica em educação (ANDRÉ, 1995). A produção de dados se organizará em duas etapas : 1. Observação e 2. Entrevista semiestruturada (GASKELL, 2002),  com apoio de roteiro e roteiro lúdico, no caso das crianças. Os dados gerados na primeira fase do estudo serão analisados com base na identificação dos núcleos de sentido (AGUIAR; OZELLA, 2006).  Espera-se que os resultados encontrados contribuam para o debate em torno da cultura escolar sensível às pluralidades culturais.


Palavras-chave


inserção escolar; crianças imigrantes; representações sociais.