Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS
Kenya Maria Vieira Lopes, Marta Maria Pontin Darsie

Última alteração: 01-10-19

Resumo


O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), juntamente com os demais 37 Institutos Federais existentes no Brasil, completou, no final do ano de 2018, dez anos da sua implementação. Entre os objetivos propostos quando da criação dos IFs consta o de ministrar cursos de Licenciatura. O presente trabalho apresenta resultados iniciais de uma proposta de pesquisa no âmbito do doutorado do PPGECEM/REAMEC sobre o tema Formação de Professores no IFTO. Buscou-se levantar quais cursos de Licenciatura são oferecidos pelo IFTO, bem como, o número de ingressantes, evadidos (abandono e desistência) e de licenciados formados até o primeiro semestre do ano de 2018. O levantamento de dados foi realizado no início do segundo semestre de 2018 junto à reitoria da Instituição. Usou-se de abordagem qualitativa para análise dos dados pautados na metodologia apresentada no trabalho de Gatti (2010) que, ao discutir sobre a formação de professores no Brasil, teceu breve contextualização sobre as licenciaturas em estudo, descrevendo dados quantitativos sobre elas como número de matriculados e de concluintes, entre outros, incluindo, em seguida, sinteticamente aspectos em destaque dos dados levantados. No IFTO há 8 diferentes cursos de Licenciatura distribuídos em 7 Campi, sendo que há cursos como Computação e Matemática que são ofertados em mais de um Campus. A média de evasão atinge 35%, enquanto a de formação de licenciados fica em 8%. Permanecendo assim os questionamentos sobre quais medidas devem ser tomadas para reverter tal quadro.