Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Desenvolvimento de um Inoculante Micorrízico com Aplicação na Produção Clonal de Mudas de Teca Utilizando Fungos Nativos da Região Norte de Mato Grosso
Larissa Venturini Della Flora, Martha Viviana Torres Cely, Ivanildo Guilherme Henrique

Última alteração: 02-10-19

Resumo


Nos últimos anos a Teca (Tectona grandis) vem sendo amplamente plantada nos estados de Mato Grosso, Acre, Pará e Rondônia, destacando-se pela sua produtividade e qualidade da madeira. Nativa da Ásia principalmente do Myanmar, hoje contabiliza mais de 6,8 milhões de hectares plantados em todo mundo. Para garantir um melhor desenvolvimento com qualidade e aumento de produtividade, novas estratégias de adaptação deverão ser desenvolvidas para a sustentabilidade da produção, visto as mudanças climáticas e surgimento e aumento nas incidências de pragas e doenças. Uma estratégia que apresenta grande percentual de sucesso, são o uso de microrganismos do solo, entre eles os fungos micorrízicos arbusculares, os quais aumentam a transferência de e nutrientes no sistema solo-planta. Neste sentido, neste projeto objetiva-se avaliar o desempenho de mudas clonais de teca na fase de viveiro e em campo, após inoculação com fungos micorrízicos arbusculares nativos do norte de Mato Grosso. A pesquisa está sendo realizada em parceria com o viveiro Florestal da Floresteca em Jangada-MT, a metodologia que está sendo usada, consistiu no primeiro momento na coleta dos FMA nativos do município de Sinop-MT em áreas de mata nativa, isolamento e purificação, e posteriormente a produção dos inóculos em vasos de multiplicação com Urochloa brizantha. A inoculação dos isolados foi feita diretamente no substrato na fase de produção de mudas e antes do estaquiamento. No processo de isolamento obteve-se (quatro) isolados. O projeto consiste na análise de 5 tratamentos sendo eles T1 testemunha (sem FMA), T2 isolado 1 (FM1), T3 isolado 2 (FM2), T4 isolado 3 (FM3, T5 isolado 4 (FM4), cada tratamento possui 60 repetições por clone, sendo analisado 8 clones comerciais da empresa.  As análises serão realizadas em fase de viveiro e campo. Nos 30 e 60 dias de viveiro será feito análises de sobrevivência, nos 90 dias análise de sobrevivência e análise destrutiva para avaliar o desempenho das mudas inoculadas na fase de viveiro. Na fase de campo, serão levadas 20 mudas por tratamento dos clones que apresentaram melhores resultados em viveiro. No final do experimento espera-se obter mudas com melhores taxas de crescimento e produtividade, mudas que tenham melhor poder de adaptação em fase de viveiro e em campo, materiais que apresentem bom desenvolvimento em áreas com solo deficientes em algum nutriente ou água e um novo inoculante de fungo micorrizico nativo no mercado.


Palavras-chave


microbiologia do solo; simbiose; viveiro, produção florestal