Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Análise da implementação da comissão de heteroidentificação para o ingresso nos cursos de graduação da UFMT no contexto da lei nº. 12.711/2012
Évellyn Thaís Peixoto de Freitas, Sérgio Pereira dos Santos

Última alteração: 01-10-19

Resumo


Este trabalho constitui-se como um projeto em andamento de uma pesquisa de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMT, vinculada a Linhas de Pesquisa Movimentos Sociais, Políticas e Educação Popular e ao Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Étnico-Raciais e Educação (NEPRE). O objetivo geral consiste em analisar a implementação da comissão de heteroidentificação para o ingresso por meio de ação afirmativa para negras/os nos cursos de graduação da UFMT, Campus Cuiabá, no contexto da Lei nº. 12.711/2012. Estrutura-se como pesquisa qualitativa de abordagem descritiva, tendo a produção dos dados mediante da análise de documentos sobre a comissão e correlatos, de entrevistas semiestruturadas com candidatas/os aptos ou não às vagas e/ou com sujeitos que tiveram ou tenham relação com a administração, a organização e a implementação da comissão de heteroidentificação para o ingresso nos cursos de graduação na UFMT. O cronograma de atividades dessa pesquisa se encontra no momento de aprofundamento e de fichamentos dos materiais teórico-bibliográficos para embasar a dissertação, que posteriormente servirá como base para produção, interpretação e análise dos dados. A fundamentação teórica deste estudo buscará compreender a construção social das desigualdades raciais brasileiras no contexto do Estado-Nação e do pensamento social brasileiro, tendo raça como categoria central de análise e de explicação da produção dos efeitos e das dinâmicas do racismo anti-negro brasileiro. Nessa perspectiva, utilizaremos Paixão (2014) como fundamentação teórico-metodológica que nos possibilitará compreender as matrizes e as escolas explicativas sobre a produção das relações sociorraciais brasileiras, como também Domingues (2004) onde o autor traz uma “História não Contada” da população negra no contexto das políticas de desenegrecimento. Assim daremos destaque às organizações e às lutas da população negra em busca de educação e das políticas de reparação sociorracial, assim como para o entendimento da identidade negra e o sistema de classificação racial brasileiro com o intento de compreender as complexidades originas nas dinâmicas das autodeclarações e na comissão de heteroidentificação. Também temos como base teórica Hofbauer (2006), Seyferth (1989), Japiassú (1999) e Schwarcz (1993) para discutir acercadas teorias raciais do século XIX, de modo a compreendemos a legitimação da hierarquização das raças da qual utilizou a ciência por meio dos processos eugênicos e da política de branqueamento, em que tais políticas almejavam a eliminação física e simbólica da população negra do Brasil ao considerar a tez branca como superior. Para detalhar e analisar as propostas e lutas da população negra em prol da educação e das ações afirmativas no decorrer dos processos históricos brasileiros, utilizaremos as pesquisas de Siss (2003), Santos (2016) e Brandão (2005), dentre outras/os autoras/os. Entende-se que os dados apresentados até aqui são frutos de um trabalho inicial de uma pesquisa. Portanto, para atingir o objetivo do mesmo, é de extrema importância o aprofundamento teórico, assim como o processo de produção dos dados, pois é a partir da imersão no campo da pesquisa e do tato com a produção teórica acerca da temática em tela que encontraremos os apontamentos e as questões que o objetivo deste estudo propõe.

Palavras-chave


Relações Étnico-Raciais; Comissão de Heteroidentificação; Ações Afirmativas