Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Manejo químico de antracnose na cultura da soja.
Lorrayne Ferreira Oliveira, Cassiano Spaziani Pereira, Solange Maria Bonaldo

Última alteração: 02-10-19

Resumo


A antracnose, causada pelo fungo Colletotrichum truncatum, é uma doença de ocorrência generalizada no país, de difícil controle e que pode afetar desde as fases iniciais até o final do ciclo das culturas. Favorecida por elevadas precipitações e altas temperaturas, principalmente nos estádios finais, é considerada um dos principais problemas na região do cerrado Brasileiro. Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a interferência, causada pela antracnose, na produtividadee identificar ferramentas de manejo químico dessa doença na cultura da soja. Realizado durante a safra 2018/2019 na estação de pesquisa da Fundação Rio Verde, localizada no estado de Mato Grosso, o experimento foi composto por nove tratamentos e delineamento em blocos casualizados com quatro repetições, foi realizada inoculação artificial do patógeno C. truncatum em 20% das sementes utilizadas no plantio. Os tratamentos foram compostos por duas testemunhas uma sem e outra com inoculação, ambas sem controle químico de doenças, e sete manejos de controle químico contendo duas ou três aplicações de fungicidas. Os parâmetros avaliados foram: severidadede antracnose nas nervuras das folhas, hastes, pecíolos e vagens; desfolha, produtividade e massa de mil grãos. Os resultados foram submetidos à análise de variância e comparação de médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Houve diferença significativa entre os tratamentos, chegando a mais de 10 sacas hectare-1 de incremento entre a testemunha inoculada e o tratamento com maior controle e menor AACPD, menor desfolha e maior massa de mil grãos, sendo ele o manejo com três aplicações de fungicidas (uma aplicação de trifloxistrobina + ciproconazolaos 30 DAE e aplicações da combinação detrifloxistrobina + protioconazol e mancozebe aos 45 e 60 DAE).

Palavras-chave


Glycine max; Colletotrichum truncatum; controle químico