Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
OS MIGRANTES DO SUL: SUJEITOS MIGRANTES NA AMAZÔNIA MATO-GROSSENSE
Elizângela Gomes dos Santos Siebiger, Patrícia Silva Osório

Última alteração: 11-10-19

Resumo


Inserida na linha de pesquisa Sociabilidades, Identidades e Subjetividades, a pesquisa se ocupa da análise de um importante fluxo migratório para a Amazônia mato-grossense. Este trabalho é resultado do estudo etnográfico das trajetórias dos sujeitos migrantes advindos dos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, que migraram para a Amazônia mato-grossense nas décadas de 1970 a 1990, bem como a realização da observação participante em um de seus espaços de convivência, o CTG Porteira Aberta na cidade de Colíder. Para tanto, a pesquisa revelou que como um local que celebra a “cultura Gaúcha” desenvolve suas características próprias,  tornando-se um espaço que agrega frequentadores de diversas partes do Brasil, onde o interesse é a sociabilidade através dos encontros que realizam e os torneios dos jogos de bocha. Assim, as análises das trajetórias de sujeitos migrantes e as sociabilidades alicerçadas no CTG nos permitem argumentar que as identidades são construções sociais e que a ideia tradição é  construída como forma de demarcar fronteiras, funcionando como referências de identificação e de distinção de um grupo social e de uma cidade.

Palavras-chave:

Fluxos migratórios,  Centro de Tradições Gaúchas, trajetórias.

Referências

BECKER. Gabriela. L. Além da tradição: estnografando um CTG(centro de tradições gaúchas) na região de Curitiba Paraná. UFPR. Curitiba. 2014.

CASTRO S, P. [et al]. A Colonização Oficial em Mato Grosso: “a nata e a borra da sociedade”. Cuiabá: EDUFMT. 1994.

CÔRTES, Paixão; LESSA, Barbosa. Manual de Danças Gaúchas (com

suplemento  musical e ilustrativo) São Paulo/Rio de Janeiro: Irmãos Vitale

Editores, 3 ed.1968.

COSTA. Rogério, H. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. UFGS, Conference. Porto Alegre. 2004. Disponível em pdf.

OLIVEN, Ruben George. A antropologia de grupos urbanos. Petrópolis: Vozes,         2007, p. 29-64.

____________________. A Parte e o Todo: A diversidade cultural no Brasil-Nação. Petrópolis, RJ, Vozes. 1992.

OSÓRIO. Patrícia. S. Modernos e Rústicos: tradição, cantadores, nordestinos e tradicionalistas gaúchos em Brasília. UnB, Brasília. 2005.

SANTOS, J. V. T. Matuchos: exclusão e luta: do sul para a amazônia. Petrópolis, Vozes. 1993.

SEYFERTH, Giralda. Imigração e Cultura no Brasil. EDITORA Universidade de Brasilia.1990.

_________________ (org) Estudos Migratórios: Perspectivas metodológicas. São Carlos: Edufscar, 2005.

SCHAEFER, J. R. As Migrações Rurais e Implicações Pastorais. Um estudo das migrações campo-campo do sul do país em direção ao norte do Mato Grosso. São Paulo, Edições Loyola, 1985.

WAGNER, Roy. 2010. “A cultura como criatividade”; “a invenção da antropologia” In. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify. Disponível em pdf.

WOORTMANN, Klaas. “Com Parente Não se Negocia”. O Campesinato como Ordem Moral in: Anuário Antropológico 87. Brasília: Ed. UnB, 1990.

 

 

 

 

 

 


Palavras-chave


Fluxos migratórios; Centro de Tradições Gaúchas; trajetórias