Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
Incidência fúngica em sementes comerciais de braquiária utilizadas em sistemas integrados
ANNE CAROLINE DALLABRIDA AVELINO, Joadil Gonçalves de Abreu

Última alteração: 06-10-19

Resumo


A presença de fungos nos campos de produção e nas sementes forrageiras tem prejudicado a implantação de sistemas pecuários e reduzido a adoção de sistemas integrados de produção. Com o intuito de aplicar ações corretivas para minimizar ou erradicar a incidência de fungos nas sementes e consequentemente nos campos de produção é necessário conhecer a incidência fúngica destas forrageiras. Sendo assim, objetivou-se identificar os fungos de maior ocorrência nas principais sementes forrageiras utilizadas em sistemas integrados. O experimento foi realizado delineamento de modo inteiramente casualizado, com quatro tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos consistiram nas sementes de Brachiaria syn. Urochloa ruziziensis e Brachiaria syn. Urochloa brizantha. A incidência de fungos foi analisada por meio de “blotter test”, com e sem desinfestção, e estresse salino. Após sete dias procedeu-se a avaliação/exame individual das sementes, pela ocorrência de frutificações típicas do crescimento de fungos, sendo agrupados de acordo com o gênero. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e testes de comparação de médias de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Constatou-se incidência dos fungos Alternaria sp., Aspergillus sp., Cladosporium sp., Colletotrichum sp., Curvularia sp. Fusarium sp., Penicillium sp. Rhizoctonia sp. e Rhizopus sp., predominando os fungos Cladosporium sp., Rhizoctonia sp e Fusarium sp. em ambas as espécies forrageiras, considerando o processo sem desinfestação. Ao realizar o processo de desinfestação constatou-se menor incidência de todos os fungos, exceto Cladosporium sp.  e Rhizoctonia sp. Estima-se que com a redução da infestação de Fusarium sp. após o processo de desinfestação, que é um fungo de crescimento rápido e agressivo, pode ter sido propiciado o crescimento de Cladosporium sp. e Rhizoctonia sp. Além disso, o aumento na frequência dos fungos Cladosporium sp. e Rhizoctonia pode ser justificado pela elevada incidência no interior da semente, fato contrário ao Fusarium sp. e demais fungos relatados. Além dos danos fisiológicos causados às sementes de braquiária, há indícios que na mortalidade do capim-marandu (B. syn Urochloa brizantha cv. Marandu) haja o envolvimento de agentes bióticos, entre estes, Pythium sp., Rhizoctonia sp. e Fusarium sp., sobretudo em áreas com drenagem deficiente. Sendo assim, recomenda-se que lotes da cultivar Marandu semelhantes ao analisado neste trabalho não sejam implantados em áreas com drenagem deficiente. Com relação ao gênero Cladosporium, as cultivares BRS Piatã e Xaraés foram as que apresentaram elevadas taxas de incidência, sem e com desinfestação, respectivamente. Conclui-se que Cladosporium sp., Fusarium sp. e Rhizoctonia sp. são os principais gêneros de fungos associados às principais sementes forrageiras utilizadas em sistemas integrados.


Palavras-chave


Cladosporium sp., Fusarium sp., Rhizoctonia sp.