Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
População de Rua: Situação e Ação
WALDIR ROZENO

Última alteração: 01-10-19

Resumo


 

 

Resumo: Com o advento da qualidade de vida, proclamada, defendida e exigida pela sociedade em geral, parece uma incógnita falar sobre isso com a população de rua. Ademais, sabendo que a educação é o grande e, talvez, o único caminho para o alcance de metas e objetivos que colocam as pessoas em condições de igualdade. E, como já disse Paulo Freire, “a vocação para o ser mais, enquanto expressão da natureza humana fazendo-se na História, precisa de condições concretas sem as quais a vocação se distorce”. A realidade da situação da população de rua com relação à educação escolar é de extrema preocupação, pois as ações pontuais – condições concretas – para que essas pessoas possam estudar são escassas. Sendo assim, o que interessa, aqui, é fomentar um amplo debate, acerca da oferta de educação escolar para a população de rua, uma vez que a proposta do governo é uma ação estratégica, a partir da Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua, Decreto nº 7.053 de 23 de Dezembro de 2009. Com isso, a busca pela qualidade de vida, como um clamor social, apesar de aguçar vontades e ansiedades que beiram a displicência, mas que pode gerar movimentos que reforcem as esperanças de um horizonte propício a uma população de extrema carência, precisa ser e acontecer, também, no âmbito da população de rua, como proposta de fortalecimento da vida pela vida e voltada ao contexto de sociabilidade que pode fazer a diferença na proposta da verdadeira qualidade de vida que a sociedade precisa, uma vez que todos os seres humanos são e estão inseridos na vida normal a mesma que condiciona o corpo à realidade do contexto de verticalidade social como elemento de defesa de direitos condicionados às regras e aos limites de convívio e convivência como amplitude da relação e inter-relação humana na contextualidade da situação e da ação de uma população, cuja carência é a expressão viva do desprezo e da discrepância em que a sociedade faz sem mesmo exercer nenhuma condição para isso. O desprezo como discrepância da relação social entre a população de rua e os ditos normais é o que traduz a falta ou ausência de ações que possam promover a educação escolar dessa população, pois os mecanismos propícios para a efetivação de políticas de ensino e aprendizagem são e estão contidos no processo pedagógico da educação pública. Por isso, a saída para a verticalização da sociabilidade entre população e população de rua precisa acontecer, também, através da interlocução e dos saberes da educação escolar dentro da amplitude do conhecimento como transmissão de vicissitudes da esfera intelectual de atores e autores da dinâmica do saber na tentativa de estabelecer parâmetros condizentes com a vida das pessoas em situação de rua.

 

 

Palavras-chaves: Qualidade de vida. População de Rua. Sociedade.


Palavras-chave


Qualidade de Vida. População de Rua. Sociedade.