Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
O pensamento ecológico e anticapitalista do Cristianismo da Libertação no Brasil (1965-2015)
Rhaissa Marques Botelho Lobo

Última alteração: 07-10-19

Resumo


As obras dos Teólogos da Libertação Frei Betto e Leonardo Boff tem sido meu objeto de pesquisa desde o primeiro ano da graduação em História. Elas versam sobre a pobreza/opressão por meio de uma perspectiva histórica/ religiosa que condessa prática e reflexão. Contudo durante essa trajetória de pesquisa são as práticas sociorreligiosas dos diversos agentes que compõem o Cristianismo da Libertação, os problemas centrais que passam a mover os anseios da pesquisa. O intuito desta proposta é compreender como a ecologia se constitui como problema na prática do Cristianismo da Libertação. Diante disto   este projeto de pesquisa se propõe a analisar as reflexões e práticas ecológicas anticapitalista dentro do cristianismo da Libertação. Estas são divulgadas nas obras de teólogos como Leonardo Boff, Frei Betto, Dom Pedro Casaldáliga, Dom Erwin Kräutle. Nos documentos eclesiais, conciliares como manifestos e panfletos que circularam nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), nas Pastorais Operárias e Extrativistas, além da Comissão Pastoral da Terra (CPT), são outros meios onde podemos ver expressos visão católica ecológica anticapitalista.

A Hipótese que guia essa pesquisa é que a concepção ecológica anticapitalista do cristianismo da Libertação nasce por intermédio das experiências pastorais que os agentes religiosos desenvolvem com as populações tradicionais amazônicas estas são exploradas e marginalizadas pelo processo de expansão da fronteira agrícola promovido pelo regime autoritário brasileiro. O modelo agrícola imposto além de altamente prejudicial ao meio ambiente, almeja a aniquilação dos modos de vida das populações tradicionais.   Diante disto é fundamental compreender que a pesar desta perspectiva ecológica se aproximar de outras concepções ecológicas ela é uma vertente ecológica autônoma e que para compreende-la deve-se mapear as transformações e disputas em que o cristianismo da Libertação se envolve e constrói capilaridades.


Palavras-chave


Ecologia; Cristianismo da Libertação; Movimento sociais; catolicismo; Amazônia.