Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
As Praças , as Memórias e as Políticas Públicas no Centro Histórico de Cuiabá
Luciene Castro Rangel

Última alteração: 11-10-19

Resumo


O estudo visa analisar as ações da política pública de Patrimônio Cultural nos aspectos cotidianos das pessoas que moram e utilizam os espaços das Praças do Centro Histórico no município de Cuiabá/MT. De que maneira as relações foram afetadas pelas intervenções Programa PAC Cidades Históricas, e verificar o papel da comunidade local nos processos decisórios e participativos desde a escolha dos espaços da intervenção pelo município, os critérios utilizados para a seleção dos locais e a implementação de políticas culturais para o desenvolvimento e sustentabilidade da intervenção.

É importante ressaltar a necessidade da participação social nas políticas públicas como forma de exercer a cidadania e controle social nas ações propostas pelo Estado. Nesse contexto, em relação a política cultural implementada em diversas cidades do Brasil, é importante verificar como um programa com um volume tão grande de recursos está alcançando a proposta inicial do programa. A pesquisa tem o foco identificar de que maneira essas políticas públicas foram desenvolvidas, quais os instrumentos legais e participativos utilizados para garantir essas interações e relações entre as instâncias governamentais e a sociedade.  Qual a dinâmica que se propõe para esses patrimônios pois nessa ótica podemos verificar o surgimento de uma nova configuração do espaço que altera as relações sociais daquele local. A questão da participação popular é importante em vários aspectos, entre eles a questão do protagonismo dos grupos nos processos das políticas públicas, o exercício em se “fazer ouvir” e participar das construções das políticas públicas seja por meio de conselhos, fóruns, debates audiências públicas e/ou quaisquer mecanismos que se possa exercer a cidadania e representação social.  Entretanto, podemos ir mais além, e afirmar que esses sujeitos com suas histórias se relacionam entre si, criam e reinventam novas histórias, resultando em um convívio local, repleto de memórias afetivas coletivas, identidade, trocas culturais, entre outros; e não podemos pensar tais bens materiais sem a relação vida cotidiana da cidade e seus moradores quando ali se apresentam.


Palavras-chave


políticas patrimoniais, memória, centros históricos