Sistema de Eventos Acadêmicos da UFMT, XI Mostra da Pós-Graduação

Tamanho da fonte: 
BIOINSETICIDA Mexicanolída NO CONTROLE DE Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) (Lepidoptera:Noctuidae)
Paulo Henrique Alves Morais

Última alteração: 02-10-19

Resumo


[1]A cultura do milho representa um dos elementos mais fortes da economia brasileira transcendendo o meio rural, como produto de alimentação animal, dieta alimentar, e resíduos como o combustível. Dentre os maiores gargalos para a produção de milho, estão o controle de pragas, principalmente da lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) atacando o cartucho, possuindo hospedeiro quase todo o ano. A perda da produtividade de milho, devido ao ataque da praga, depende do grau de infestação e estádio da cultura, dependendo da estação pode ocasionando perda superior a 80%. As lagartas desenvolvidas possuem de 35 a 45 mm de comprimento, na cabeça apresenta um “Y” invertido. Os adultos são mariposas de cor variável, do cinza-claro ao marrom-escuro, mas tendo sempre presente uma linha diagonal de cor marrom-canela, unindo as pontas do primeiro par de asas, as fêmeas adultas em todo seu ciclo podem depositar 1500 ovos. O controle químico é uma das últimas alternativas dentro do manejo integrado de pragas para se utilizar no controle da lagartas desfolhadoras, com a mesma utilização do ingrediente ativo e modo de ação propagou-se no ambiente, mutantes de lagartas resistentes a essas moléculas, sendo os inseticidas sintéticos os mais prejudiciais ao meio ambiente. As moléculas orgânicas tem chamado atenção para o seu controle, pois são moléculas biodegradáveis não tóxica ao meio ambiente, como o óeo de Neem de ingrediente ativo Azadirachta indica. O objetivo do trabalho foi utilizar a molécula mexicanolída extraída da árvore Cedrela odorata L. (Meliaceae), para o controle populacional de lagarta sobre diferentes doses do produto. O delineamento será o inteiramente casualizado com 5 tratamentos e 6 repetições, sendo individualizadas em potes de 40 ml-1, contendo dieta artificial com 5g por potes, totalizando 144 lagartas por tratamentos. As contrações finais em cada tratamento da molécula adicionada à dieta será de Trat 1: 80 µg mL-1, Trat 2 100 µg mL-1, Trat 3 120 µg mL-1, Trat 4 150 µg mL-1 e testemunha será água destilada. Serão avaliadas as seguintes variáveis biológicas: período larval: duração da faz e em dias, peso de lagartas aos 7 e 14 dias de idade; período de pré-pupa: duração e mortalidade em dias; período de pupa: duração, peso com 24 horas de idade, razão sexual e mortalidade; período adulto: longevidade e mortalidade. Para a análise estatística serão aplicados os testes F e no caso de efeito significativo dos tratamentos, as médias serão comparadas pelo teste de Tukey. Nos resultados esperados procura-se bio atividade no controle da lagarta igual ou superior de 50%.

 

Palavras chave: Pragas, milho, controle.

 

 


[1] Resumo de Paulo Henrique Alves Morais, discente do Programa de Pós-Graduação em Agronomia.

 

 


 


Palavras-chave


Pragas, milho, controle.